sicnot

Perfil

Rio 2016

Pelé não vai acender a pira olímpica por problemas físicos

© Paulo Whitaker / Reuters

O histórico jogador de futebol brasileiro Pelé informou, horas antes da Cerimónia de Abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016, que não vai acender a pira olímpica por problemas físicos.

Em comunicado, Pelé começou por dizer que só Deus é mais importante do que a sua saúde e lembrou que na sua vida sofreu "fraturas, cirurgias, dores, internações em hospitais, vitórias e derrotas", e sempre respeitou aqueles que o admiram.

Pelé sublinhou que sempre procurou "não dececionar" a sua família e o povo brasileiro, antes de anunciar que não vai participar no evento histórico para o Brasil, país que acolhe os primeiros Jogos Olímpicos da América do Sul, entre hoje e 21 de agosto.

"Neste momento, eu não estou em condições físicas de participar da abertura dos Jogos Olímpicos. E como brasileiro, peço a Deus que abençoe a todos", informou o brasileiro, que ficou conhecido como o 'rei' do futebol.

Na quarta-feira, o antiga estrela do futebol 'canarinho' e mundial informou que poderia ter de declinar o convite para acender a pira olímpica, afirmando estar dependente da desmarcação de "outros compromissos".

"Tenho contratos a que estou vinculado e é suposto estar a viajar nessa altura. Se conseguir cancelar esses compromissos, será uma honra poder fazer isso", disse, na altura, em declarações à estação de televisão brasileira Globo.

Pelé, de 75 anos, admitiu que foi convidado pessoalmente pelo presidente do Comité Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, para acender a pira olímpica.

No entanto, um dia depois, José Forno Rodrigues, assessor de Pelé, disse que não havia questões a resolver com a empresa Legends 10, responsável por gerir a imagem do antigo jogador.

Segundo a imprensa brasileira, o antigo jogador tem sentido fortes dores no quadril, região alvo de duas cirurgias nos últimos anos.

Pelé não se consegue locomover com facilidade sem uma bengala e, por ordem médica, precisa usá-la constantemente.

O maior nome do desporto brasileiro nunca disputou os Jogos Olímpicos, uma vez que se profissionalizou muito cedo, e o COI só permitia a participação de atletas amadores no passado.

Em julho, durante a passagem da tocha olímpica pela Baixada Santista, no estado de São Paulo, Pelé chegou a segurar o símbolo.

Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.