sicnot

Perfil

Rio 2016

Telma Monteiro preparada para qualquer adversária nos Jogos Olímpicos

A judoca portuguesa Telma Monteiro disse que está preparada para defrontar qualquer adversária nos Jogos Olímpicos Rio2016, mesmo podendo encontrar no segundo combate a mongol Sumiya Dorjsuren, líder do 'ranking' mundial dos -57kg.

"Aqui havia muitas [judocas] fortes. (...) Eu vim para aqui com o pensamento de que tenho de estar preparada para qualquer uma. Portanto, ser a mongol ou qualquer outra no segundo combate neste momento também é um pouco indiferente, porque estou focada em ganhar à russa [Irina Zabludina], porque se não ganhar à russa, a mongol até podia estar na meia-final que eu não a ia apanhar", referiu.

Dizendo-se "tranquila" para os seus quartos Jogos Olímpicos, a campeã europeia, garantiu que reagiu de forma "normal" ao sorteio para a prova de segunda-feira, até porque sabia que tinha grandes possibilidades de apanhar a mongol no seu segundo combate.

"O único combate em que estávamos na expetativa era o primeiro e reagi normalmente, porque todas as adversárias que vão estar aqui são fortes, todas podem fazer um bom resultado, quase todas podem sonhar com o pódio. Numa competição destas, não há que pensar que há adversárias mais acessíveis ou mais fortes, porque todas querem vencer, todas querem fazer história pelo seu país, tal como eu. Portanto, reagi tranquilamente", referiu.

Sobre a lesão num joelho que a afastou da competição durante largos meses, Telma Monteiro, de 30 anos, assegura que, "para quem foi operada há menos de seis meses, não podia estar melhor".

"Sonho sempre com o pódio. É um sonho que posso tornar realidade. Tenho sempre esse objetivo em todas as competições e nos Jogos Olímpicos não vai ser diferente, porque, apesar de ser uma competição nova, as adversárias são as mesmas. Sinceramente, não estou a pensar se venho de uma situação desfavorável ou não. Estou a pensar que tive determinação suficiente para chegar até aqui, para superar a lesão, para estar suficientemente bem e em forma para lutar. E agora é dar tudo o que tenho", assumiu.

Questionada sobre se já merecia uma medalha olímpica, a única que falta no seu palmarés, a judoca do Benfica, cinco vezes campeã europeia e quatro vezes vice-campeã mundial, disse que aprendeu "da pior maneira que não adianta merecer nada, porque em Pequim, em Londres e em outras competições que não correram tão bem, se fosse por merecer, tinha ganhado".

"Da forma como treino todos os dias, da forma que me supero todos os dias e pela vontade que tenho de ganhar, se fosse por merecer, eu ganhava sempre. Eu sei que por merecer não vou conseguir. Sei que vou conseguir se lutar com determinação para isso, se for melhor do que as minhas adversárias, mais inteligente, mais paciente e com espírito de sacrifício", disse.

Lusa

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59