sicnot

Perfil

Rio 2016

Ministro da Educação sentiu alegria enorme com o bronze de Telma Monteiro

O ministro da Educação assumiu esta segunda-feira que a medalha de bronze conquistada pela judoca Telma Monteiro, na categoria -57 kg dos Jogos Olímpicos do Rio2016, lhe trouxe uma enorme alegria

"(Vivi) com uma alegria enorme. Eu estava com o amigo José Garcia, chefe de Missão, em tensão verdadeiramente forte, mas acreditando na Telma, uma grande atleta que nos tem habituado, tanto em campeonatos da Europa como do mundo, a lugares cimeiros nos pódios. Assistimos a este combate para a atribuição da medalha de ouro com grande emoção e, depois no fim, com grande alegria", revelou Tiago Brandão Rodrigues.

O responsável pela tutela do Desporto, que em Londres2012 desempenhou o papel de adido da comitiva portuguesa aos Jogos, recordou que quatro anos depois voltou a celebrar uma medalha da missão portuguesa.

"A Telma Monteiro, além de grande atleta, é uma pessoa que nos tem habituado não só desportivamente, mas socialmente, a um compromisso grande. Um referente e exemplo para tantos dos nossos jovens a dar aqui esta alegria aos portugueses", elogiou, destacando também o apoio do público brasileiro no combate de atribuição da medalha de bronze.

A judoca portuguesa conquistou hoje o bronze na categoria de -57 kg dos Jogos Olímpicos Rio2016, ao bater a romena Corina Caprioriu por 'yuko', 'selando' a 24.ª medalha do desporto português em Jogos Olímpicos.

Depois de cinco medalhas em mundiais e 11 em europeus, Telma Monteiro arrebatou, finalmente, o 'metal' olímpico, depois do 12.º lugar de Atenas2004 e do nono em Pequim2008, ainda na categoria de -52 kg, e do 17.º em Londres2012.

Portugal passou a contar quatro medalhas de ouro, oito de prata e 12 de bronze, duas das quais no judo, com Telma Monteiro a juntar-se a Nuno Delgado, terceiro em -81 kg em Sydney2000.

Lusa

  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.