sicnot

Perfil

Rio 2016

Bronze que sabe a ouro

Bronze que sabe a ouro

A judoca portuguesa garantiu esta segunda-feira que a medalha de bronze conquistada na categoria de -57kg dos Jogos Olímpicos Rio 2016 não marca qualquer ponto final na sua carreira. Telma Monteiro quer continuar a ganhar e promete estar em Tóquio 2020.

"Se conseguir continuar ao mais alto nível, o meu objetivo é estar em Tóquio. Nos próximos quatro anos, quero continuar a ganhar medalhas, somar à minha lista, nunca é demais", garantiu Telma Monteiro, já de medalha ao peito.

A judoca do Benfica, que já havia arrebatado cinco medalhas em Mundiais e 11 em Europeus, selou hoje a sua primeira olímpica, à quarta participação, o que lhe dá uma "energia diferente", mas não a afasta de novos Jogos Olímpicos.

"Já conquistei o que queria muito, mas Tóquio é uma cidade muito bonita. É muito especial para mim, porque o Japão é o país do judo e foi lá que cresci muito. Foi lá que, graças às minhas adversárias japonesas com quem treinei, evolui muito, cresci, ganhei muitas coisas", explicou.

Assim, estar nos Jogos de 2020 é um objetivo: "Estou muito feliz por saber que os Jogos são em Tóquio e quero aproveitar, desfrutar e quero despedir-me em grande nesse país que é o país do meu desporto".

A prova nipónica ainda vem longe e, para já, é tempo de saborear o bronze: "É uma emoção muito grande. Subir ao pódio nos Jogos Olímpicos é, sem dúvida, o momento mais emocionante da minha carreira, uma consagração".

"Depois de tudo o que tenho conquistado, acho que esta medalha não me definia, mas define a maneira como lutei por ela, depois de 16 medalhas em europeus e mundiais. Esta já cá canta, está completa a lista, agora é continuar a ganhar mais. Era a medalha que faltava, sem dúvida", frisou.

Para já, as emoções estão muito à flor da pele: "Já chorei muito. É uma grande emoção viver este momento, ter a oportunidade de fazer história pelo país, conquistar a primeira medalha do judo feminino".

"É mais uma para Portugal e tudo o que eu queria era poder retribuir a todas as pessoas que acreditaram em mim", disse Telma, acrescentando: "Não era uma obsessão, mas era um objetivo muito grande, foi algo para que trabalhei milhares de horas. Houve lágrimas e receios, mas prevaleceu a garra e a coragem sobre tudo isso".

Telma Monteiro conseguiu a medalha à quarta tentativa, e depois de falhar em 2004, 2008 e 2012, e conseguiu-o apenas seis meses após uma operação que lhe atrapalhou a preparação.

"Deu-me mais força, foram meses de muito receio, muita luta. Fiquei naquela cama de hospital e pensei que poderia não estar aqui hoje e lutar por esta medalha, ter uma oportunidade. Felizmente superei-me. Foram mais os meses que estive a recuperar do que a treinar, mas, às vezes, as coisas são assim", descreveu a judoca lusa.

A competição não é matemática: "Já fui a Jogos em pico de forma, já fui favorita e não deu, mas, hoje, com o joelho ligado e com o ombro com uma luxação, foi na garra, foi no querer, foi na raça lusitana, teve de ser, tinha que dar".

Quanto ao combate que lhe valeu o bronze, Telma Monteiro diz que jogou com o desgaste da adversária: "Queria entrar no meu ritmo. Sabia que ela ia jogar no meu erro, mas queria aproveitar o facto de ela ter tido pouco tempo para descansar depois de um combate anterior muito desgastante".

"Tentei ser inteligente e jogar com isso, quis atacar forte logo de início. Não estava ali para fazer bonito ou para lutar bem, estava para ganhar. No combate, magoei-me no ombro e é possível que tenha feito uma subluxação, mas eu tinha de dar tudo e deixar as pessoas orgulhosas. Não podia desistir. Quando olhei para o relógio, faltavam dois minutos e eu acreditei que a medalha era minha", recordou.

A medalha é também para mostrar aos outros que eles também podem conseguir os seus objetivos: "Não quero ser excecional. Só quero transmitir a mensagem que se eu consegui, eu que precisei de quatro Jogos Olímpicos e 12 anos para ganhar uma medalha e tive de ser operada, acho que os outros também conseguem. Não desistir é importante, porque os portugueses não são diferentes dos outros".

"Não sei se é a medalha mais pesada, mas é a mais saborosa", finalizou a atleta, de 30 anos, que materializou a 24.ª medalha da história de Portugal em Jogos Olímpicos.

Com Lusa

  • Marinha e Exército dão luz verde ao Aeroporto do Montijo

    País

    De acordo com a edição deste domingo do Diário de Notícias, o Exército e a Marinha já comunicaram à Força Aérea disponibilidade para desocupar parcialmente a base aérea e o Montijo se transformar num num aeroporto complementar ao de Lisboa.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.