sicnot

Perfil

Rio 2016

João Sousa foi "bastante" prejudicado pela dupla jornada consecutiva

O tenista português João Sousa reconheceu esta segunda-feira que jogar quatro encontros em dois dias o prejudicou, mas enalteceu a experiência inesquecível que viveu nos Jogos Olímpicos Rio2016.

"Sinceramente, nunca tinha visto isto na minha vida. É a primeira vez que ao mais alto nível me acontece, só me tinha acontecido em 'futures'. Estou muito dececionado, porque acho que os jogadores devem ter alguns direitos. Há jogadores que não jogaram dois dias, como o Gastão. Não há qualquer razão para fazer isto a um atleta. Não sei qual é o objetivo do encarregado de fazer a ordem de Jogos...", criticou o número um nacional.

João Sousa admitiu que jogar quatro encontros em 24 horas o prejudicou "bastante" no jogo de singulares, em que foi derrotado o argentino Juan Martin del Potro, pelos parciais de 6-3, 1-6 e 6-3, mas sobretudo no de pares.

"Não há grande coisa a fazer. Eles é que sabem, eles é que mandam. Realmente, da minha parte, se me pedirem uma nota de zero a dez, dou um. São situações que acontecem e não deviam acontecer. Deviam proteger mais os jogadores, não só os grandes", defendeu.

O 36.º jogador mundial fez ainda um balanço da sua estreia em Jogos Olímpicos, depois de perder na segunda ronda do quadro de pares, ao lado de Gastão Elias, com os canadianos Vasek Pospisil e Daniel Nestor, por 6-1, 6-4.

"Infelizmente, hoje não foi um bom dia para mim. Perdi nos singulares e nos pares. Digo adeus aos Jogos Olímpicos com uma boa experiência, um ambiente fantástico da equipa olímpica, uma memória inesquecível e amigos", enumerou, confessando que voltar a repetir a presença olímpica em Tóquio2020 seria uma grande notícia.

Lusa

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Dijsselbloem não comenta hipótese de ser substituído por Mário Centeno
    2:41

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas não comenta a sondagem que foi feita ao ministro das Finanças português. Ouvido esta quinta-feira no Parlamento Europeu, o Presidente do Eurogrupo esteve no centro das críticas e reafirmou que não se demite.