sicnot

Perfil

Rio 2016

Nelson Oliveira premiado com diploma de melhor de sempre no crono olímpico

Nelson Oliveira saiu do Rio2016 sem a desejada medalha, que foi parar ao pescoço de Fabian Cancellara, Tom Dumoulin e Chris Froome, mas com um diploma que atesta o melhor resultado de sempre do ciclismo português em contrarrelógios olímpicos.

Sempre em crescendo ao longo dos 54,6 quilómetros do exercício individual, o quatro vezes campeão nacional de contrarrelógio cortou o risco com o tempo de 1:14.15 horas, tendo de esperar pela chegada dos oito homens que partiram depois de si para confirmar que o diploma olímpico era seu.

Sétimo, a 1.59 minutos do novo campeão olímpico, o suíço Fabian Cancellara, Nelson Oliveira assegurou o melhor resultado de sempre de um português num 'crono' nos Jogos Olímpicos, melhorando o seu 18.º lugar de Londres2012 e garantindo um Diploma Olímpico.

Ao início da manhã, na 'box' da seleção portuguesa, 'Nelsinho', como é conhecido no pelotão, estava descontraído. De telemóvel na mão, quieto na sua cadeira, alheio ao entra e sai de pessoas, o ciclista da Movistar era o espelho da tranquilidade - quem o conhece, sabe que a impassibilidade é uma das suas principais qualidades.

Quando se levantou para iniciar o aquecimento, espreitou para a box da Holanda e lançou um "Hei, Tom [Dumoulin]. Good Luck". Mal subiu à bicicleta, o atual tricampeão nacional da especialidade transformou-se: concentrado, de 'phones' nos ouvidos, pedalou até encharcar para, pouco depois, rumar ao local de partida.

Quando saiu da rampa de lançamento - foi o nono a contar do fim -- para enfrentar o percurso de 54,6 quilómetros, com saída e chegada ao Pontal, em Copacabana, completo em duas voltas ao circuito de Grumari, que incluía as subidas a Grumari (1,3 km com uma pendente média de 4 por cento) e à Grota Funda (2,1 km a 6,8 por cento).

Com o piso molhado e a chuva a cair, o corredor de Vilarinho do Bairro (Anadia), de 27 anos, partiu cauteloso, sendo sétimo à passagem pelos dois primeiros pontos intermédios e oitavo no terceiro. O cenário não estava famoso para o português, que via como Fabian Cancellara pulverizava os registos nas contagens intermédias, numa luta aparentemente renhida com o australiano Rohan Dennis.

No mais solitário dos exercícios do ciclismo, Oliveira recuperou a passada e, quando passou ao quilómetro 34,6, o principal ponto intermédio, era quinto, a 50 segundos de Jonathan Castroviejo -- Dennis melhoraria logo de seguida, estabelecendo o melhor tempo, antes de ficar afastado das medalhas devido a um inconveniente furo e à consequente mudança de bicicleta.

Em crescendo - foi mesmo o mais rapido no setor final -, estabeleceu a nona melhor marca no último dos pontos intermédios cronometrados e, na descida final até à meta, embalou para ultrapassar três corredores que tinham partido à sua frente e garantir o sétimo lugar final num 'crono' em que não houve medalhados surpresa.

Cancellara beneficiou do azar de Dennis e ganhou o ouro, com um tempo estratosférico de 1:12.15 horas e uma média de 45,255 km/h (foi o único a pedalar dentro dos 45 km/h), deixando o grande favorito, o holandês Tom Dumoulin, a 47 segundos, e o britânico Chris Froome, que voltou a ter de contentar-se com o bronze tal como há quatro anos, a 1.02 minutos.

Lusa

  • Hoje há 60 medalhas para atribuir

    Rio 2016

    ​Os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro prosseguem com mais 20 provas a atribuir medalhas, entre as quais o contrarrelógio do ciclismo de estrada, no qual o português Nélson Oliveira pode obter uma boa classificação.

  • Ciclistas partem para os Jogos Olímpicos a pensar nas medalhas
    1:25

    Desporto

    Partiram hoje para o Rio de Janeiro três dos ciclistas que vão competir nos Jogos Olímpicos. Rui Costa, Nélson Oliveira e André Cardoso saíram esta manhã do Aeroporto de Lisboa. Depois de Londres em 2012, os ciclistas voltam a competir nos Jogos Olímpicos, na prova de estrada. Nelson Oliveira vai disputar também o contra relógio. À saída de Portugal, mostraram-se confiantes e assumiram o objetivo de conquistar pelo menos uma medalha.

  • Circulação retomada na A23, mais de 1.600 operacionais no combate às chamas

    País

    A circulação rodoviária na A23 foi completamente restabelecida ao início da manhã depois de ter estado cortada por causa dos incêndios que, no total, mobilizam mais de 1.600 operacionais e contam com reforço espanhol. Nos vários fogos que atingem o país estão 1.648 operacionais no terreno, apoiados por mais de 500 viaturas e 15 meios aéreos.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26

    País

    O candidato do PSD à Câmara Municipal de Loures, André Ventura, foi entrevistado esta terça-feira na Edição da Noite da SIC Notícias. Em análise, a polémica em torno das declarações do candidato sobre a comunidade cigana.

    Entrevista SIC Notícias

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.