sicnot

Perfil

Rio 2016

A areia olímpica não cola ao corpo

© Lucy Nicholson / Reuters

A areia do voleibol de praia dos Jogos Olímpicos não cola ao corpo como a "areia normal" das praias. Isto porque as regras para a areia da competição são tantas e tão precisas que a areia se torna de facto fora no normal.

© Ruben Sprich / Reuters

Basta estar cinco segundos numa praia para a areia se enfiar em todo o lado: nos sacos, no livro, no telefone, no carro, em todas as partes do corpo. E, no momento em que se começa a transpirar, não há forma de a descolar do corpo. Mas então como é que os atletas olímpicos não estão totalmente cobertos de areia durante os jogos?

© Ricardo Moraes / Reuters

A Federação Internacional de Voleibol de Praia (FIVB) tem regras muito precisas sobre o tipo de areia das competições.

1.2 SUPERFÍCIE DE JOGO
1.2.1 O terreno deve ser de areia nivelada, o mais plano e uniforme possível, livre de pedras, conchas e qualquer outro objeto que possam representar risco de cortes ou lesões para os jogadores.
1.2.2 Em competições Mundiais e Oficiais da FIVB a areia deverá ter uma profundidade mínima de 40 cm e ser constituída por grãos finos ligeiramente compactados.
1.2.3 A superfície de jogo não pode apresentar qualquer perigo de lesão para os jogadores
1.2.4 Para Competições Mundiais e Oficiais da FIVB a areia deve também ser peneirada até um tamanho aceitável, não muito grossa, livre de pedras e partículas perigosas.
Não deve ser demasiado fina de forma a não provocar poeira e não ficar agarrada à
pele.

© Ruben Sprich / Reuters

Portanto, a areia deve ser fina mas não demasiado fina, peneirada mas não como farinha, suave mas não como pó de talco. Partículas granulosas de natureza mineral especiais que não se encontram em qualquer praia comum.

© Ruben Sprich / Reuters

  • Governo garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo de ajuda alimentar
    1:18

    País

    O ministro da Solidariedade e Segurança Social garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo europeu de ajuda alimentar. Vieira da Silva respondeu, esta manhã, à notícia avançada pelo Jornal de Notícias que dava conta de que, este ano, o país teria desperdiçado 28 milhões de euros de um fundo europeu porque o programa ainda não está operacional.