sicnot

Perfil

Rio 2016

Jéssica Augusto sonha com uma medalha na maratona

A atleta portuguesa Jéssica Augusto disse no sábado que sonha conquistar uma medalha na maratona dos Jogos Olímpicos Rio2016, garantindo que vai fazer uma corrida ao seu ritmo e de "trás para a frente".

"Tenho o sonho de qualquer atleta, que é conquistar uma medalha. Trabalhei para isso, trabalhei para dar o meu melhor, para me superar. Gostava de melhorar o meu sétimo lugar de Londres", afirmou.

Garantindo estar preparada para a prova de hoje, Jéssica Augusto sabe que tem recordes pessoais piores do que algumas das suas adversárias, em especial as africanas, "mas em Jogos Olímpicos o recorde pessoal vale o que vale".

"Somos 157 atletas a alinhar, à partida somos todas candidatas. Amanhã (hoje) é ir deixando correr a prova e ir ganhando lugar a lugar ao longo da prova", afirmou.

Jéssica Augusto considera que "a maratona é uma prova muito aberta" e que "a atleta que vai à frente aos 20 quilómetros até pode não ser a que ganha".

"No meu caso, vou tentar fazer uma prova mais resguardada, como costumo fazer, a correr de trás para a frente, a encontrar o mesmo ritmo, que espero encontrar logo no início", afirmou.

Jéssica Augusto quer ir no seu ritmo, para depois não "pagar no final".

"Prefiro fazer uma prova de trás para a frente, vou no meu ritmo, quando me sentir bem vou tentar acelerar", referiu.

A maratona feminina do Rio2016 tem início às 9:30 locais (13:30 em Lisboa), com Jéssica Augusto a ter a companhia de Dulce Félix e Sara Moreira.

Lusa

  • Coreia do Norte foi "isolada à força"

    Mundo

    O empresário espanhol León Smit, que organiza visitas à Coreia do Norte, diz que o país foi "isolado à força", sendo "muito difícil" estabelecer relações comerciais com Pyongyang, sob o regime de Kim Jong-un.

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite