sicnot

Perfil

Rio 2016

Marta Onofre considera grande experiência a presença no Rio 2016

A atleta portuguesa Marta Onofre considerou hoje que foi uma grande experiência estar nos Jogos Olímpicos Rio2016, apesar de ter falhado a presença na final do salto com vara.

"Acima de tudo, foi uma grande experiência estar num palco como este. Há sempre coisas positivas a esperar. Em primeiro lugar, gostava de ter saltado um pouco mais, mas acima de tudo levo comigo uma boa experiência para preparar melhor o próximo ciclo olímpico e, se tudo correr bem, estar cá em melhor forma ainda em 2020", afirmou.

Recordista nacional, com 4,51 metros, Marta Onofre, que se estreava em Jogos Olímpicos, passou à primeira tentativa a 4,15 e 4,30 metros, mas acabou por falhar os três saltos a 4,45, lamentando o "tempo imenso" entre os saltos, por haver 19 atletas em cada um dos grupos da qualificação.

"Não saio magoada. Acho que dei o litro lá dentro. É difícil manter a concentração com tantos fatores de distração à volta, principalmente com o facto de demorar tanto entre cada salto. Acho que estive bem nesse aspeto, tenho pena de não me ter corrido bem ali o acerto das corridas com as varas mais fortes", disse.

Considerando que "era muito difícil" chegar à final, a atleta do Sporting disse que se tivesse passado os 4,45 metros já "não iria fazer nenhuma alteração em relação às varas" e que "ficaria ainda mais motivada para continuar para as próximas fasquias".

"A parte melhor da época foi a inicial, em que entrei com tudo, depois foi difícil manter a concentração o tempo todo. Agora, no final, já estrava a recuperar a concentração e a motivação. O balanço da época é bastante bom, com a qualificação para os Jogos e recorde nacional absoluto, de pista coberta e ao ar livre. É continuar e fazer melhor na próxima época", concluiu.

Também em prova, Maria Leonor Tavares, que tem um recorde pessoal de menos um centímetro do que a compatriota, passou à primeira a 4,15 metros, mas não passou a fasquia a 4,30, ficando igualmente fora da final.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.