sicnot

Perfil

Rio 2016

É desconhecido o paradeiro dos nadadores norte-americanos proíbidos de sair do Brasil

O Comité Olímpico Internacional (COI) e o comité organizador dos Jogos Olímpicos Rio2016 afirmaram esta quarta-feira desconhecer se os nadadores norte-americanos Ryan Lochte e James Feigen "saíram da Vila Olímpica", após terem sido proibidos de sair do país.

Uma juíza brasileira proibiu esta quarta-feira a saída do país de Lochte e Feigen, no âmbito da investigação ao assalto que dizem ter sofrido na madrugada de domingo.

A decisão da juíza Keyla Blanc deve-se ao facto de existirem versões contraditórias dos atletas em relação ao assalto.

"Não temos informação sobre se saíram da Vila Olímpica", indicou o porta-voz do COI, Mark Adams, em conferência de imprensa.

De acordo com o jornal O Globo, o nadador Ryan Lochte terá dito que ele e outros três companheiros de equipa tinham sido assaltados à mão armada, depois de saírem de uma festa no bairro da Gávea.

Um depoimento que entra em contradição com as imagens de vídeo vigilância na Aldeia Olímpica, nas quais os nadadores aparecem tranquilos e com os seus bens pessoais, depois de passarem pelos detetores de metais.

De acordo com a imprensa brasileira, Lochte, Bentz e Conger já terão deixado o Brasil.

Lusa

  • Como não perder Barack e Michelle Obama nas redes sociais

    Mundo

    Sair da Casa Branca implica mais que reunir objetos físicos: é preciso guardar também os tweets, os posts e todo o conteúdo digital produzido nos últimos oito anos pelo Presidente dos EUA e pela primeira-dama. A equipa de Barack Obama já preparou tudo para que nada se perca do seu legado digital.

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.