sicnot

Perfil

Rio 2016

Comité Olímpico diz que Patrick Hickey "por enquanto é inocente"

O Comité Olímpico Internacional (COI) indicou esta quinta-feira que, até ao momento, não existe uma acusação formal contra o dirigente do COI Patrick Hickey, suspeito de participar em venda ilegal de bilhetes do Rio2016.

"Por enquanto é inocente. [Patrick Hickey] Encontra-se hospitalizado e está a ser investigado, sem que, até ao momento, exista uma acusação formal contra ele", disse em conferência de imprensa o porta-voz do COI, Mark Adams.

O irlandês Patrick Hickey, presidente do Comité Olímpico Irlandês e dirigente no COI, foi detido na quarta-feira pela polícia brasileira por suspeita de participar numa rede de venda ilegal de bilhetes para os Jogos Rio2016, tendo a juíza encarregada do caso decretado a prisão preventiva do dirigente de 71 anos.

Depois de detido, o dirigente sentiu-se indisposto e foi transportado a um hospital, onde ainda se encontra, segundo o COI, e depois irá a uma esquadra prestar declarações".

A detenção segue-se a uma série de operações levadas a cabo pela polícia, contra aquilo que diz ser uma rede internacional de venda de bilhetes.

O responsável da empresa THG Sports, que estava licenciada para a revenda de bilhetes nos Jogos Londres2012 e Sochi2014 -- e da qual o filho de Hickey era funcionário - foi também detido por venda ilegal.

A polícia do Rio de Janeiro disse ainda ter confiscado cerca de 1.000 bilhetes, os quais estavam a ser vendidos acima do valor de mercado, nomeadamente para os acontecimentos mais importantes, como a cerimónia de abertura, por 8.000 dólares.

Alguns tinham o carimbo do Comité Olímpico da Irlanda.

Hickey, que desempenha também funções na presidência dos Comités Olímpicos europeus e na vice-presidência da associação de comités olímpicos, anunciou na quarta-feira ter solicitado a suspensão temporária de todas as suas funções que ocupa no movimento olímpico.

Lusa

  • Kikas faz história
    1:22
  • Madonna está outra vez em Lisboa 😲
    0:59
  • Hindus pedem a troca de nome da cerveja brasileira Brahma

    Mundo

    Um grupo de hindus pediu a mudança da marca de cerveja Brahma, propriedade da multinacional cervejeira Anheuser-Busch InBev, com sede em Lovaina, na Bélgica, argumentando que é inapropriado uma bebida alcoólica ter o nome que um deus hindu.

  • Manuais oferecidos aos alunos do 1.º ano não podem ser reutilizados
    2:42

    País

    As escolas querem que sejam devolvidos aos alunos os manuais do 1.ºo ano que foram dados gratuitamente pelo Estado para serem reutilizados nos próximos anos. A Associação de Diretores de Agrupamentos diz que os livros estão praticamente todos em bom estado, mas da forma como são feitos pelas editoras é impossível voltar a usá-los. As escolas querem que o Executivo chegue a um entendimento com as editoras para conceber manuais reutilizáveis.

  • Portugal com 3.ª maior dívida pública da UE

    Economia

    A dívida pública recuou, em termos homólogos, na zona euro e na União Europeia (UE), no primeiro trimestre, tendo Portugal registado a terceira maior dos 28 (130,5%), depois da Grécia e de Itália, divulga hoje o Eurostat.