sicnot

Perfil

Rio 2016

Polícia diz que caso dos nadadores dos EUA foi briga e não assalto

© Ueslei Marcelino / Reuters

A polícia brasileira informou esta quinta-feira que o caso dos nadadores dos Estados Unidos da América, que disseram que foram assaltados no último domingo no Rio de Janeiro, foi uma briga e não um assalto.

A constatação tem como base imagens de vídeo de um posto de combustível onde os nadadores aparecem a discutir com os funcionários no local.

A investigação começou depois que os nadadores norte-americanos Gunnar Bentz, Jack Conger, Ryan Lochte e James Feigen terem dito na terça-feira que foram assaltados depois de terem deixado uma festa na Casa da França, na Lagoa, zona sul do Rio de Janeiro.

No caminho para o alojamento, de táxi, os atletas pararam num posto de gasolina para ir à casa de banho.

No local, um deles teria danificado uma porta e iniciado uma discussão com os funcionários e seguranças. Os funcionários disseram que os nadadores estavam alcoolizados e começaram a urinar no jardim perto da loja de conveniência do posto.

A versão dos desportistas também foi colocada em dúvida depois de outro vídeo mostrar a chegada do grupo às instalações da Vila Olímpica horas depois do alegado assalto.

Uma juíza brasileira pediu na quarta-feira que fossem retirados os respetivos passaportes dos nadadores e proibiu-os de sair do Brasil, mas Lochte e Feigen já tinham regressado aos Estados Unidos.

Esta quinta-feira, os nadadores Conger e Bentz foram retirados de um voo para os Estados Unidos pelas autoridades brasileiras e levados para depor na polícia.

Lochte ganhou uma medalha de ouro na prova 4x200 metros livres e ficou em quinto lugar nos 200 metros estilos no Rio2016.

Bentz e Conger participaram nas eliminatórias de estilo livre nos 4x200 metros e Feigen nos 4x100 metros.

Lusa

  • Caravana com cinzas de Fidel chega este sábado a Santiago de Cuba
    2:01
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.