sicnot

Perfil

Rio 2016

Polícia diz que nadadores dos EUA devem pedido de desculpas ao Rio de Janeiro

O chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro, Fernando Veloso, disse, na quinta-feira, que os nadadores olímpicos norte-americanos que mentiram sobre um assalto à mão armada devem um pedido de desculpas à cidade brasileira.

"As nossas autoridades desculparam-se com eles por uma situação que não aconteceu, como foi relatada. Eles devem desculpas aos 'cariocas' [cidadãos do Rio de Janeiro]. Acusaram até polícias, mas não digo para pedirem desculpas aos polícias. Devem desculpas ao Rio", afirmou, em declarações aos jornalistas.

As investigações relevaram que os quatro nadadores, incluindo Ryan Lochte, envolveram-se numa confusão num posto de gasolina, apesar de terem relatado que tinham sido assaltados depois de virem de uma festa.

Os atletas estavam alcoolizados e causaram distúrbios no estabelecimento, por isso, os funcionários do posto decidiram chamar a polícia e não permitir que eles abandonassem o local.

Um dos seguranças apontou-lhes uma arma, porque, segundo testemunhas, um deles estava exaltado e agressivo.

No entanto, após pagarem 100 reais (27 euros) e 20 dólares (17,6 euros) pelos danos, os seguranças do local deixaram-nos partir.

Os atletas poderão responder judicialmente por falsa comunicação de crime e dano ao património.

"As medidas necessárias para o esclarecimento não foram concluídas para sabermos qual foi o crime, pois ainda estamos a ouvir testemunhas e essas conclusões são preliminares", adiantou Fernando Veloso.

Entretanto, o diretor de comunicações do Comité Olímpico Rio2016, Mario Andrada, disse aos jornalistas que "eles agiram mal" e que "são jovens e cometem erros".

"O facto de os atletas passarem por uma vergonha pública dessa magnitude é suficiente para que aprendam uma lição", comentou.

Mario Andrada referiu também não estar arrependido de ter pedido desculpas aos norte-americanos após o alegado assalto, referindo: "Estamos pedindo [desculpas] a todos os atletas que podem ter tido algum problema".

Na quarta-feira, uma juíza brasileira pediu que fossem retirados os passaportes dos nadadores e proibiu-os de sair do Brasil, mas Ryan Lochte e James Feigen já tinham regressado aos Estados Unidos.

Mais tarde, os nadadores Jack Conger e Gunnar Bentz foram retirados de um voo para os Estados Unidos pelas autoridades brasileiras e levados para depor na polícia.

Lochte ganhou uma medalha de ouro na prova 4x200 metros livre e ficou em quinto lugar nos 200 metros estilos no Rio2016.

Bentz e Conger participaram nas eliminatórias de estilo livre nos 4x200 metros e Feigen nos 4x100 metros.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.