sicnot

Perfil

Rio 2016

Ryan Lochte altera versão do assalto que diz ter sofrido no Brasil

© Michael Dalder / Reuters

O nadador norte-americano Ryan Lochte, investigado pela justiça brasileira devido a um alegado assalto que diz ter sofrido no domingo passado, alterou a sua versão dos acontecimentos, numa entrevista ao canal NBC.

Lochte, James Feigen, Gunnar Bentz e Jack Conger, companheiros na seleção dos Estados Unidos de natação, que participaram nos Jogos Olímpicos Rio 2016, alegam que foram vítimas de um assalto à mão armada por homens que vestiam uniformes da polícia, mas uma investigação inicial deixou dúvidas quanto à versão apresentada.

Os norte-americanos alegaram que regressavam de um festa em que estiveram com o nadador brasileiro Thiago Pereira no Club France, um espaço na lagoa Rodrigo de Freitas gerido pelo Comité Olímpico Francês.

Lacunas na versão dos nadadores e o vídeo da sua chegada às instalações da Vila Olímpica, horas depois do alegado assalto, levaram a polícia brasileira a abrir uma investigação sobre a veracidade das suas declarações.

Já nos Estados Unidos, Lochte contou à NBC uma versão ligeiramente diferente, aumentando as dúvidas sobre o sucedido.

O nadador, de 32 anos, diz agora que o assalto não terá ocorrido quando o grupo se dirigia para a Vila Olímpica, mas sim numa bomba de gasolina.

Segundo Lochte, os quatro nadadores foram à casa de banho da bomba e, quando voltaram ao táxi que os transportava, o motorista não ligou o carro.

"Foi nessa altura que dois homens se aproximaram do veículo com armas e distintivos da polícia", descreveu o nadador.

Na quarta-feira, a polícia brasileira impediu o embarque de Gunnar Bentz e Jack Conger no Rio de Janeiro, quando estavam prestes a viajar para os Estados Unidos, no âmbito desta investigação.

Antes, uma juíza tinha pedido que fossem retirados os passaportes aos quatro nadadores e proibiu-os de sair do Brasil, mas Lochte e Feigen já tinham regressado aos Estados Unidos.

Lusa

  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • Provavelmente o melhor golo da noite de Liga Europa
    1:24
  • Vitória de Guimarães mais longe dos 16 avos de final
    1:48
  • O perfil dos novos ministros
    3:22

    País

    Pedro Siza Vieira e Eduardo Cabrita são os dois novos ministros que tomam posse no próximo sábado. Ambos têm uma particularidade: são amigos de longa data do primeiro-ministro António Costa.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • Fogos na Califórnia provocaram 42 mortos e perdas acima de mil milhões de dólares

    Mundo

    O comissário dos seguros da Califórnia afirmou esta quinta-feira que as perdas provocadas pelos incêndios que dizimaram extensas áreas deste Estado norte-americano excedem os mil milhões de dólares (844 milhões de euros). Estes incêndios, que começaram no condado de Sonoma County, já provocaram a morte a 42 pessoas no mês de outubro.

  • Quem está ao lado de Trump? Melania ou uma sósia?

    Mundo

    A especulação surgiu no Twitter: estaria Trump acompanhado de uma sósia de Melania para ocultar a ausência da mulher num evento oficial? A teoria da conspiração ganhou depois força nas redes sociais. Julgue por si mesmo.

    SIC

  • Norte-americano entrega-se após perder aposta com a polícia no Facebook

    Mundo

    Um jovem de 21 anos procurado pela polícia norte-americana entregou-se, esta segunda-feira, depois de perder uma aposta com a polícia, no Facebook. Michael Zaydel prometeu entregar-se se uma publicação sobre o seu desaparecimento chegasse às mil partilhas, na rede social. O jovem norte-americano prometeu ainda levar uma dúzia de donuts, caso os agentes da cidade de Redford conseguissem ganhar a aposta.

    SIC