sicnot

Perfil

Rio 2016

Tribunal desbloqueia verbas para os Jogos Paralímpicos

© Nacho Doce / Reuters

Um tribunal federal brasileiro levantou na quarta-feira o 'congelamento' de fundos destinados aos Jogos Paralímpicos Rio2016, para garantir a realização do evento.

Na semana passada, o mesmo tribunal tinha retido a transferência de fundos para o evento, por considerar que todos os relatórios apresentados não eram credíveis sobre a forma como as verbas seriam canalizadas.

Este congelamento de fundos tinha impedido a organização dos Jogos Paralímpicos disponibilizar verbas a vários países, que lhes permitissem viajar até ao Rio de Janeiro, já que não dispunham de meios próprios para o fazer.

Face a esta situação, houve mesmo ameaças de países mais carenciados de não se deslocarem ao Rio de Janeiro para participarem nos Jogos Paralímpicos.

"Seria uma vergonha para o Brasil não fazer esses Jogos", disse na segunda-feira o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, que se disponibilizou a canalizar 150 milhões de reais (42,4 milhões de euros) para cobrir parte do financiamento em falta.

Uma porta-voz da organização explicou que os maiores problemas dos Jogos Paralímpicos Rio2016 era a fraca venda de bilhetes e o pouco interesse de patrocinadores em se associarem ao evento.

Lusa

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.