sicnot

Perfil

Rio 2016

"Ninguém tem o direito de nos criticar"

ANT\303\223NIO COTRIM

Emanuel Silva pediu aos portugueses para não criticarem os canoístas portugueses, frisando que são eles, mais do que ninguém, que querem fazer bons resultados, numa prova como os Jogos Olímpicos Rio2016.

"Aproveito a oportunidade para fazer um pequeno reparo a todos os portugueses que nos acompanham em Portugal, para não dizerem mal de nós. Ninguém mais do que nós quer os melhores resultados", garantiu o canoísta do Sporting.

De acordo com Emanuel Silva, os canoístas lusos não precisam de "mensagens negativas", até porque, na sua opinião, o tratamento é desigual: "Há outras modalidades a fazer bem pior do que nós - não as modalidades amadoras - e ninguém as critica, por isso mesmo não podem exigir mais".

"Nós abdicamos das nossas famílias, dos amigos, de festas, de confraternizações, de batizados, de aniversários, de casamentos, para lutar pelos melhores resultados. Ninguém tem o direito de nos criticar", frisou o canoísta luso.

Emanuel Silva, que ficou a 296 milésimos da medalha de bronze em K2 1.000 metros, ao lado de João Ribeiro, disse ainda que o que os canoístas portugueses precisam "é de energia positiva".

"Nós somos tão poucos, que devíamos estar mais unidos. Não são assim tantas as medalhas que temos. Quanto mais nos espicaçarem e transmitirem energia negativa, pior. Nós lemos tudo. Gostaríamos de não ler, mas lemos", disse.

O canoísta luso lamentou que se critique muito: "É redes sociais, é entrevistas, é raciocínios, é comentários aos nossos resultados".

"Não precisamos disso, isto não nos ajuda. E quando nós lemos aqui, ficamos com angústia, porque nós fazemos tudo pelo país, nós damos o pelo, o couro, o cabelo. Nós vimos aqui e esfalfamo-nos todos para fazer um grande resultado", frisou.

Emanuel Silva lembrou que os canoístas lusos vieram para várias frentes: "O Fernando (Pimenta) veio aqui competir em K1, eu e o João (Ribeiro) vimos em K2 e juntámo-nos os quatro e vimos em K4. Vimos em K1, K2 e K4".

"Fazemos tudo o que está ao nosso alcance para alcançar os melhores resultados e, ainda por cima, nos criticam. Não podem fazer isso, não têm o direito de nos fazer isso", finalizou, crítico, Emanuel Silva.

Lusa

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59