sicnot

Perfil

Rio 2016

"Sou o maior da história"

© Dominic Ebenbichler / Reuters

O jamaicano Usain Bolt reconheceu na sexta-feira a grandeza do seu inédito 'triplo triplo' de medalhas de ouro nos 100, 200 e 4x100 metros, justificados com dedicação e perseverança.

"Despedir-me dos Jogos é triste, mas estou muito feliz e satisfeito porque consegui alcançar a meta que tracei. Estou aliviado e orgulhoso, pois tudo se tornou realidade. Sou o maior da história", atirou o 'relâmpago'.

Bolt, que cumpriu o último segmento na estafeta, que o quarteto jamaicano cumpriu em 37,27 segundos, assegurando a sua nona medalha olímpica, disse que a "dedicação" é o base do seu sucesso: "Eu queria isto acima de tudo e nunca estou satisfeito".

Na sua última presença competitiva no Engenhão, Bolt permaneceu na pista depois de cumprir uma volta olímpica da consagração, enquanto o público gritava repetidamente o seu nome, e beijou a linha da meta.

"Só tenho a agradecer aos brasileiros. Vocês realmente adotaram-me nestes dias. O carinho e a energia que senti cada vez que cantavam o meu nome foram incríveis. Vou ficar aqui até tarde e divertir-me. Nunca soube que isto ia acontecer quando comecei", referiu Bolt.

O seu companheiro de equipa Yohan Blake expressou também a ambição jamaicana de assegurar a 14.ª medalha de ouro do historial de Bolt entre Jogos Olímpicos e Mundiais.

"Queríamos ganhar para fazer do Usain imortal e ele é imortal", referiu Blake, acrescentando que aconselhou o recordista mundial dos 100 e 200 metros "a voltar em 2020".

Sem responder a esta provocação, Bolt explicou, com humor, como motivou os companheiros para vencer: "Eu disse-lhes que os ia espancar".

Lusa

  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23

    Mundo

    Cerca de 1.4 milhões de crianças estão em risco iminente de morrer à fome. Deste modo, a UNICEF faz um apelo urgente de cerca de 230 milhões de euros para levar nos próximos meses comida, água e serviços médicos a estas crianças. As imagens desta reportagem podem impressionar os espectadores mais sensíveis.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35
  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32
  • Homem que esfaqueou mulher em Esmoriz é acusado de homicídio qualificado
    1:24

    País

    O homem que no sábado esfaqueou a mulher em Esmoriz está acusado de homicídio qualificado. O arguido de 50 anos foi ouvido esta segunda-feira pelo juiz de instrução e ficou em prisão preventiva, uma medida fundamentada pelo perigo de fuga e de alarme. O homem remeteu-se ao silêncio durante o interrogatório, no Tribunal de Aveiro.

  • Homem condenado a oito anos e meio por abuso sexual da mãe
    1:10

    País

    O Tribunal de Coimbra condenou esta segunda-feira um homem de 53 anos a oito anos e meio de prisão por abuso sexual da mãe e ainda por crimes de roubo e coação. A mãe, de 70 anos, sofria de problemas nervosos e consumia bebidas alcoólicas com frequência, tendo sido vítima de abuso sexual por parte do filho enquanto dormia. Os crimes cometidos remetem para o início de 2016, depois do homem já ter cumprido outras penas de prisão em Espanha.

  • Jovem de 21 anos morre colhida por comboio na linha da Beira Baixa
    0:43

    País

    Uma jovem de 21 anos morreu esta segunda-feira ao ser atropelada pelo comboio Intercidades à saída da estação de Castelo Branco, na linha da Beira Baixa. A vítima foi colhida pelo comboio que seguia no sentido Lisboa-Covilhã ao atravessar a linha de caminho de ferro. Este é um local onde não existe passagem de nível, mas habitualmente muitas pessoas arriscam fazer a travessia da linha.

  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.