sicnot

Perfil

Rio 2016

"Sou o maior da história"

© Dominic Ebenbichler / Reuters

O jamaicano Usain Bolt reconheceu na sexta-feira a grandeza do seu inédito 'triplo triplo' de medalhas de ouro nos 100, 200 e 4x100 metros, justificados com dedicação e perseverança.

"Despedir-me dos Jogos é triste, mas estou muito feliz e satisfeito porque consegui alcançar a meta que tracei. Estou aliviado e orgulhoso, pois tudo se tornou realidade. Sou o maior da história", atirou o 'relâmpago'.

Bolt, que cumpriu o último segmento na estafeta, que o quarteto jamaicano cumpriu em 37,27 segundos, assegurando a sua nona medalha olímpica, disse que a "dedicação" é o base do seu sucesso: "Eu queria isto acima de tudo e nunca estou satisfeito".

Na sua última presença competitiva no Engenhão, Bolt permaneceu na pista depois de cumprir uma volta olímpica da consagração, enquanto o público gritava repetidamente o seu nome, e beijou a linha da meta.

"Só tenho a agradecer aos brasileiros. Vocês realmente adotaram-me nestes dias. O carinho e a energia que senti cada vez que cantavam o meu nome foram incríveis. Vou ficar aqui até tarde e divertir-me. Nunca soube que isto ia acontecer quando comecei", referiu Bolt.

O seu companheiro de equipa Yohan Blake expressou também a ambição jamaicana de assegurar a 14.ª medalha de ouro do historial de Bolt entre Jogos Olímpicos e Mundiais.

"Queríamos ganhar para fazer do Usain imortal e ele é imortal", referiu Blake, acrescentando que aconselhou o recordista mundial dos 100 e 200 metros "a voltar em 2020".

Sem responder a esta provocação, Bolt explicou, com humor, como motivou os companheiros para vencer: "Eu disse-lhes que os ia espancar".

Lusa

  • Jovens adoptados e filha do líder da IURD com versões diferentes dos acontecimentos
    4:06

    País

    Os jovens adoptados e a filha do bispo Edir Macedo, que alegadamente os adoptou, têm versões diferentes sobre o que aconteceu. Vera e Luís Katz garantem que foram adoptados por uma família norte-americana, com que viveram até aos 20 anos. Viviane Freitas, filha do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, conta que foi mãe das crianças durante três anos, apesar de lhe ter sido negada a adopção.

  • Cabecilha da seita Verdade Celestial é "mentiroso, egocêntrico e psicótico"
    2:22

    País

    O cabecilha da seita "Verdade Celestial" foi condenado a 23 anos de pena de prisão por abusos sexuais de crianças e adolescentes. O juiz diz que o cabecilha do grupo era mentiroso patológico, egocêntrico, impulsivo e com personalidade psicótica. Dos oito acusados, duas mulheres foram absolvidas e seis arguidos foram condenados a penas efectivas. A rede de abusadores foi desmantelada há dois anos, numa quinta de Palmela.

  • Mau tempo obriga ao cancelamento de centenas de voos na Europa
    1:21