sicnot

Perfil

Rio 2016

David Rosa frustrado por ter sido obrigado a desistir

IN\303\201CIO ROSA

David Rosa não escondeu este domingo a sua frustração por ter sido forçado a abandonar a prova de cross country olímpico (XCO) do Rio2016, garantindo que se não houvesse a regra dos 80% teria lutado até "partir o motor".

"Uma coisa é certa: eu não ia desistir. Fosse como fosse, até com uma queda, eu não ia desistir. Lá está, troquei a roda e pela regra dos 80 % fui mandado encostar. Passa muita coisa pela cabeça, mas a primeira é frustração", disse.

O português, que partiu a roda traseira, foi perentório ao asseverar que teria ficado em prova até ao final se não existisse a regra que determina o afastamento dos corredores com um tempo de atraso superior em 80% ao do líder na primeira volta.

"Ia ser até partir o motor. Eu queria sair daqui sem arrependimentos. E agora tenho um misto de sensações: sei que não foi culpa minha, sei que foi um problema mecânico que eu não podia antever. Não bati em lado nenhum, mas o que é facto é que sair daqui sem ter dado tudo é de uma frustração total", explicou.

Logo a seguir à zona técnica, David Rosa partiu a roda de trás. "Ficou completamente destruída. Nem sequer dava para ir em cima da bicicleta e deixá-la rolar, não havia hipótese. Tive de fazer meia volta com a bicicleta à mão, ainda para mais a parte mais dura, que antecede a subida e descida mais longas. Com ela à mão, ao ombro, à mão. Como é lógico, perdi muito tempo", descreveu, com marcas visíveis do esforço sobre-humano nas pernas e mãos.

O leiriense, de 29 anos, contou que não embateu em qualquer obstáculo, apontando antes uma questão de torção para justificar a avaria.

"Quando estou a fazer uma curva, provavelmente foi a força lateral. Eu ouvi um barulho e provavelmente foi o aro a ceder. Eu depois, logo a seguir, tentei pedalar, mas a bicicleta não andava. Eu aí já sabia que era correr o mais rápido possível até à zona técnica. Foi precisamente isso que eu fiz. Desistir estava fora de questão. De forma alguma ia desistir", assegurou.

O corredor nacional, que tinha planeado fazer uma corrida de trás para a frente, ocupava a 14.ª posição quando o infortúnio aconteceu.

"Sabia que ia ser uma prova muito tensa, que ia haver confusão no início e estava a preparar-me. Estava a fazer linhas alternativas, por saber que ia haver essa confusão. Estava a ganhar lugares com essas linhas. Penso que termino a primeira volta em 20.º lugar. Se eu no início da terceira já estava em 14.º e não me estava a sentir a quebrar... estava a fazer uma prova completamente limpa, sem erros. Vir aqui e, depois de quatro anos de trabalho, partir uma roda, sem ter hipótese de depois recuperar, é de uma frustração enorme", reforçou.

Desalentado, Rosa chegou mesmo a garantir que preferia ter sido forçado a abandonar devido a uma queda, uma vez que se isso acontecesse o erro seria seu.

"Mas quando é uma avaria desta, principalmente quando eu estava a fazer uma prova com cautela, já para não ter problemas técnicos, porque havia muita gente a arriscar e a pagar por esses riscos... se fosse uma queda, teria de continuar. Agora, assim, é frustrante, é muito mau", lamentou.

Enquanto falava com os jornalistas, o português, que em Londres2012 foi 23.º na estreia olímpica, não conseguiu abstrair-se da corrida que seguia sem ele - "olha, o belga com quem eu ia está em 11.º" -, assumindo que o que estava a viver era uma tortura.

"Agora é tortura durante quatro anos. É o "e se" isto e aquilo. Ainda por cima, sei que estou na minha melhor forma de sempre. Sei que estava a fazer uma prova limpa, sem erros, com relativa frescura física, porque aqui ninguém vai fresco. Mas eu sabia que, mesmo com as condições em que a pista estava - eu não sou um corredor para provas de lama -, estava a dar-me muito bem", sublinhou.

Lusa

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28