sicnot

Perfil

Rio 2016

David Rosa frustrado por ter sido obrigado a desistir

IN\303\201CIO ROSA

David Rosa não escondeu este domingo a sua frustração por ter sido forçado a abandonar a prova de cross country olímpico (XCO) do Rio2016, garantindo que se não houvesse a regra dos 80% teria lutado até "partir o motor".

"Uma coisa é certa: eu não ia desistir. Fosse como fosse, até com uma queda, eu não ia desistir. Lá está, troquei a roda e pela regra dos 80 % fui mandado encostar. Passa muita coisa pela cabeça, mas a primeira é frustração", disse.

O português, que partiu a roda traseira, foi perentório ao asseverar que teria ficado em prova até ao final se não existisse a regra que determina o afastamento dos corredores com um tempo de atraso superior em 80% ao do líder na primeira volta.

"Ia ser até partir o motor. Eu queria sair daqui sem arrependimentos. E agora tenho um misto de sensações: sei que não foi culpa minha, sei que foi um problema mecânico que eu não podia antever. Não bati em lado nenhum, mas o que é facto é que sair daqui sem ter dado tudo é de uma frustração total", explicou.

Logo a seguir à zona técnica, David Rosa partiu a roda de trás. "Ficou completamente destruída. Nem sequer dava para ir em cima da bicicleta e deixá-la rolar, não havia hipótese. Tive de fazer meia volta com a bicicleta à mão, ainda para mais a parte mais dura, que antecede a subida e descida mais longas. Com ela à mão, ao ombro, à mão. Como é lógico, perdi muito tempo", descreveu, com marcas visíveis do esforço sobre-humano nas pernas e mãos.

O leiriense, de 29 anos, contou que não embateu em qualquer obstáculo, apontando antes uma questão de torção para justificar a avaria.

"Quando estou a fazer uma curva, provavelmente foi a força lateral. Eu ouvi um barulho e provavelmente foi o aro a ceder. Eu depois, logo a seguir, tentei pedalar, mas a bicicleta não andava. Eu aí já sabia que era correr o mais rápido possível até à zona técnica. Foi precisamente isso que eu fiz. Desistir estava fora de questão. De forma alguma ia desistir", assegurou.

O corredor nacional, que tinha planeado fazer uma corrida de trás para a frente, ocupava a 14.ª posição quando o infortúnio aconteceu.

"Sabia que ia ser uma prova muito tensa, que ia haver confusão no início e estava a preparar-me. Estava a fazer linhas alternativas, por saber que ia haver essa confusão. Estava a ganhar lugares com essas linhas. Penso que termino a primeira volta em 20.º lugar. Se eu no início da terceira já estava em 14.º e não me estava a sentir a quebrar... estava a fazer uma prova completamente limpa, sem erros. Vir aqui e, depois de quatro anos de trabalho, partir uma roda, sem ter hipótese de depois recuperar, é de uma frustração enorme", reforçou.

Desalentado, Rosa chegou mesmo a garantir que preferia ter sido forçado a abandonar devido a uma queda, uma vez que se isso acontecesse o erro seria seu.

"Mas quando é uma avaria desta, principalmente quando eu estava a fazer uma prova com cautela, já para não ter problemas técnicos, porque havia muita gente a arriscar e a pagar por esses riscos... se fosse uma queda, teria de continuar. Agora, assim, é frustrante, é muito mau", lamentou.

Enquanto falava com os jornalistas, o português, que em Londres2012 foi 23.º na estreia olímpica, não conseguiu abstrair-se da corrida que seguia sem ele - "olha, o belga com quem eu ia está em 11.º" -, assumindo que o que estava a viver era uma tortura.

"Agora é tortura durante quatro anos. É o "e se" isto e aquilo. Ainda por cima, sei que estou na minha melhor forma de sempre. Sei que estava a fazer uma prova limpa, sem erros, com relativa frescura física, porque aqui ninguém vai fresco. Mas eu sabia que, mesmo com as condições em que a pista estava - eu não sou um corredor para provas de lama -, estava a dar-me muito bem", sublinhou.

Lusa

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Violência volta às favelas do Rio de Janeiro
    3:21

    Mundo

    As favelas do Rio de Janeiro voltaram aos níveis de violência dos anos 90. A cidade de Deus foi uma das favelas pacificadas que voltou a registar tiroteios diariamente, os moradores falam de situações de trauma e do medo das crianças.

  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Cão corre os EUA a entregar águas aos árbitros em jogos de basebol
    0:20