sicnot

Perfil

Rio 2016

Adeus ao Rio, olá a Tóquio

Reuters

O Rio de Janeiro despediu-se dos primeiros Jogos Olímpicos da América do Sul, com uma festa musical em que os atletas foram os protagonistas, passando o testemunho ao vanguardismo de Tóquio, que abraça as olimpíadas em 2020.

É Santos Dumont quem avisa que a festa vai começar. Olha para o relógio, que engole o Maracanã, numa contagem regressiva que leva o espetador num passeio pelas maravilhas brasileiras, através do olhar de um pássaro.

Enquanto a ave sobrevoa o estádio, dos corpos ondulantes brotam paisagens icónicas do Rio de Janeiro, como o Pão de Açúcar, o Corcovado ou os Arcos da Lapa, que se unem para formar os anéis olímpicos e dar passo à reverência aos grandes mestres da música brasileira - Oi, Martinho da Vila, bom te ver por aqui.

O passado e o presente abrem alas ao futuro: 27 crianças, em representação dos 26 estados e do Distrito Federal, entoam o hino, numa metáfora que aponta para a renovação da vida e que serve de antessala à celebração dos grandes protagonistas do Rio2016.

É hora de comemorar as conquistas - a maior delas, será, sem dúvida, terem estado aqui -, celebrar as amizades e as barreiras que estes Jogos Olímpicos quebraram. Quem melhor para fazê-lo do que os atletas das 207 delegações, que emergem no Maracanã, vindos de um caleidoscópio multicolorido de frutas e texturas, com Carmen Miranda a servir-lhes de banda sonora.

Festejados os heróis do Rio2016, debaixo de chuva, o mítico estádio perde-se na Serra da Capivara. Uma arqueóloga caminho pelo palco, relevando desenhos rupestres que ganham vida numa coreografia representativa da arte do trançado indígena.

A saudade invade os corações. Cai a noite. "Não tenho saudades/ do que vivi/ porque tudo/ está aqui". A memória recorda quem já não está, quem deixou saudade. Nesta e noutras línguas.

Mas a herança portuguesa não se resume à palavra das palavras: uma mulher rendeira começa tecer a sua renda de bilros, acompanhada pelo cantar das Ganhadeiras de Itapuã, numa alusão à contribuição da cultura negra na formação do Brasil.

Do tear ao barro, são dois passos de dança, da responsabilidade do Grupo Corpo, que anuncia o melhor dos Jogos, numa viagem audiovisual em que não faltaram os óbvios Michael Phelps e Usain Bolt ou os medalhados brasileiros, nem a premiação dos medalhados da maratona ou o agradecimento aos voluntários.

Adeus Rio de Janeiro do caos, olá Tóquio da organização. O círculo vermelho da bandeira japonesa nasce no Maracanã. "Arigato" ao Japão pela prometedora passagem de testemunho, concretizado por Tsubasa, Hello Kitty, Pac-Man, Doraemon e por um Super Mário, que na realidade é o primeiro ministro Shinzo Abe, obrigado à cidade carioca pelos Jogos que já foram.

Feitos os discursos da praxe, apaga-se a chama, aquela espiral de luz que guiou todos os olímpicos, atletas e não só, durante os últimos 17 dias.

A Cidade maravilha despede-se como só ela sabe fazer: com samba no pé e música na alma.

Lusa

  • Leão de Ouro de Souto de Moura faz "muito bem à alma" dos portugueses
    1:53
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos.

  • Na linha do triunfo
    16:49
  • Chamas do incêndio no Europa Park na Alemanha atingiram os 15 metros de altura
    0:57