sicnot

Perfil

Rio 2016

Atleta que fez gesto político após maratona não regressa à Etiópia

O atleta etíope Feyisa Lilesa, medalha de prata na maratona dos Jogos Olímpicos Rio2016, recusou regressar ao seu país, depois de ter feito um gesto de protesto contra o governo da Etiópia ao finalizar a prova.

"Eu não acho que ele vá voltar para a Etiópia. Há muitas pessoas que dizem que isso não seria bom para ele", disse à AFP o agente do atleta, Federico Rosa.

Segundo a mesma agência, Feyisa Lilesa não estava no avião quando a delegação etíope regressou a Adis Abeba, na segunda-feira à noite.

"Ele não quer vir para a Etiópia, ele quer ir para outro país. Os Estados Unidos seria muito bom, mas, por agora, nós não sabemos para onde ele irá. Ele estava muito feliz depois da prova, mas também um pouco confuso", disse o mesmo agente, citado pelo jornal The New York Times.

O agente acrescentou que o "atleta não planeou nada para ir para outro país".

"Eu nem sequer sei quando é que ele decidiu fazer isso. Ele não me disse nada sobre isso. Eu fiquei surpreso. E você não faz algo parecido com isso por dinheiro. Ele fez isso para defender o seu país ", acrescentou.

No final da maratona, Feyisa Lilesa cruzou os braços acima da cabeça, um sinal associado ao grupo étnico a que pertence, o povo de Oromia, que vem alegando ser perseguido pelas autoridades policiais do país.

No domingo, o atleta afirmou que o seu gesto político poderia colocar a sua vida em perigo e que estava a pensar pedir asilo político, mas que ainda não tinha decidido a qual país.

Após a prova, Feyisa Lilesa afirmou também ter parentes na prisão "e, se eles falarem sobre direitos democráticos, serão assassinados".

De acordo com a organização de defesa de direitos humanos Human Rights Watch, mais de 400 pessoas já morreram desde o início dos protestos.

"Ele não enfrentará qualquer problema pelo seu posicionamento", já fez saber o porta-voz do governo, Getachew Reda, à emissora Fana Broadcasting Corporate, acrescentando: "Afinal, ele é um atleta que conquistou uma medalha de prata para o seu país."

A Polícia Federal não confirmou à agência Lusa se o atleta pediu asilo ao Brasil. Estando no país, o asilo teria de passar por esta entidade e não pelo Ministério das Relações Exteriores.

Contactado pela agência Lusa, o Ministério da Justiça do Brasil disse não poder revelar se o etíope pediu refúgio, por a legislação garantir "confidencialidade do processo de pedido e concessão de refúgio, preservando a identidade do solicitante e dos refugiados reconhecidos".

Lusa

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os discursos de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa estiveram no Jornal da Noite da SIC, onde analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O Diretor de Informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida