sicnot

Perfil

Rio 2016

Governo do Quénia dissolve Comité Olímpico Nacional envolto em escândalos

O ministro queniano dos Desportos, sob pressão após uma série de escândalos e de falhas nos Jogos Rio2016, anunciou hoje a dissolução do Comitê Olímpico Nacional (NOCK), que defende que o governo não tem poder para o fazer.

"Dissolvo o Comitê Olímpico Nacional (NOCK) com efeito imediato e transfiro as responsabilidades dos seus membros para o Quênia Sport", uma organização governamental fundada em 2013, disse Hassan Wario numa conferência de imprensa em Nairobi.

Ainda de acordo com Hassan Wario, que encarregou o Quénia Sport de estabelecer um calendário para a eleição de um novo comité olímpico, as "alegações contra o NOCK são uma enorme ameaça para a estabilidade e a reputação do desporto no país".

O secretário-geral do NOCK, Paul Francis, reafirmou na mesma conferência de imprensa que a sua organização depende do Comité Olímpico Internacional (COI) e não do governo, e que, portanto, este não tem poder para dissolvê-lo.

"Nós não vamos deixar os nossos escritórios e, no que nos diz respeito, continuaremos em funções", referiu Paul Francis.

O governo queniano ordenou a 18 de agosto a abertura de um inquérito, incluindo o de um suposto roubo de um avultado patrocínio, e a investigação a atividades obscuras no seio do organismo, por parte de alguns dirigentes corruptos.

Lusa

  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.