sicnot

Perfil

Rio 2016

Rússia anuncia que vai processar autores do Relatório McLaren

A Rússia anunciou este sábado que vai processar os autores do Relatório McLaren, divulgado a 18 de julho pela Agência Mundial Antidopagem (AMA), que revelou a existência de um esquema de doping patrocinado por Moscovo.

A divulgação do documento levou à exclusão de 118 dos 389 atletas que inicialmente integravam a equipa nacional da Rússia para os Jogos Olímpicos do Rio2016.

"Estudámos o relatório e concluímos que é falso e que a fundamentação jurídica não resiste a nenhuma crítica. Recorreremos para os tribunais civis e os seus autores serão processados pela via penal", disse hoje o ministro dos Desportos russo, Vitali Mutkó.

O responsável russo acrescentou que Moscovo irá também processar a empresa que fabrica os recipientes em que foram armazenadas as amostras recolhidas aos atletas russos que, de acordo com o Relatório McLaren, estariam marcadas, demonstrando a sua manipulação.

Vitali Mutkó reiterou a acusação de Moscovo de que o caso tem motivações políticas e que "a política e as instituições se intrometem no desporto".

"Vimo-lo no futebol", acrescentou o ministro, numa referência ao escândalo de corrupção que levou ao afastamento de Joseph Blatter da presidência da FIFA.

No início da semana, a justiça russa anunciou a intenção de interrogar o presidente da AMA, Craig Reedie, e o próprio Richard McLaren.

"Até agora, a AMA não nos apresentou provas concretas de doping por parte dos atletas russos. Além disso, não recebemos ainda nenhuma resposta às diligências feitas junto do Canadá, Estados Unidos e Suíça para cooperação jurídica", acrescentou Vladímir Markin, porta-voz do Comité de Instrução da Rússia.

Em consequência do Relatório McLaren, também toda a equipa paralímpica russa foi excluída pelo Comité Paralímpico Internacional (CPI) dos Jogos Rio2016, Brasil, que arrancam a 07 de setembro.

O Comité Paralímpico da Rússia (CPR) recorreu já da decisão.

Na quinta-feira, durante a cerimónia de homenagem aos medalhados nos Jogos Rio2016, o presidente russo, Vladimir Putin, afirmou que a exclusão da equipa paralímpica é uma decisão "humilhante e inumana".

O relatório do professor canadiano Richard McLaren refere que o programa "à prova de falhas" foi colocado em prática pelos responsáveis russos, inclusivamente durante os Jogos Olímpicos de Inverno Sochi2014.

De acordo com o documento, o ministro dos desportos da Rússia teve "participação ativa" neste sistema, que teve a assistência dos serviços secretos nos laboratórios antidopagem de Moscovo e Sochi.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.