sicnot

Perfil

Rio 2016

Patrick Hickey diz-se "completamente inocente" no caso dos bilhetes

O presidente do Comité Olímpico Irlandês, Patrick Hickey, afirmou, em comunicado divulgado esta segunda-feira, que está "completamente inocente" das acusações de revenda ilegal de bilhetes para os Jogos Olímpicos Rio2016 que pendem contra ele pela justiça brasileira.

"Tenho a intenção de enfrentar todas as acusações e de me defender de todas elas. Estou totalmente inocente e pretendo defender o meu nome e a minha reputação", diz Patrick Hickey, que é igualmente membro do Comité Olímpico Internacional (COI).

O dirigente irlandês reafirma a total confiança no sistema judicial brasileiro e está confiante que vai ser considerado inocente de todas as acusações que o ligam à revenda ilegal de ingressos.

"A minha prioridade é recuperar a saúde o mais rápido possível", disse ainda Patrick Hickey, libertado da prisão pelo tribunal do Estado do Rio de Janeiro a 29 de agosto por razões médicas.

Patrick Hickey, que é igualmente chefe dos Comités Olímpicos Europeus (EOC), adiantou que não irá fazer mais comentários até à conclusão do assunto e que nunca esteve sob prisão domiciliária.

Hickey foi detido a 17 de agosto, no Rio de Janeiro, acusado de integrar uma rede de revenda ilegal de bilhetes para os Jogos Olímpicos, que teria gerado uma receita de pelo menos de 2,8 milhões de euros.

O governo irlandês lançou uma investigação independente sobre a venda ilegal de bilhetes através da extensão das investigações para os Jogos Olímpicos Londres2012 e Jogos Olímpicos de Inverno Sochi2014.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Johnny Depp sugere assassínio de Trump
    0:31