sicnot

Perfil

Rio 2016

Patrick Hickey diz-se "completamente inocente" no caso dos bilhetes

O presidente do Comité Olímpico Irlandês, Patrick Hickey, afirmou, em comunicado divulgado esta segunda-feira, que está "completamente inocente" das acusações de revenda ilegal de bilhetes para os Jogos Olímpicos Rio2016 que pendem contra ele pela justiça brasileira.

"Tenho a intenção de enfrentar todas as acusações e de me defender de todas elas. Estou totalmente inocente e pretendo defender o meu nome e a minha reputação", diz Patrick Hickey, que é igualmente membro do Comité Olímpico Internacional (COI).

O dirigente irlandês reafirma a total confiança no sistema judicial brasileiro e está confiante que vai ser considerado inocente de todas as acusações que o ligam à revenda ilegal de ingressos.

"A minha prioridade é recuperar a saúde o mais rápido possível", disse ainda Patrick Hickey, libertado da prisão pelo tribunal do Estado do Rio de Janeiro a 29 de agosto por razões médicas.

Patrick Hickey, que é igualmente chefe dos Comités Olímpicos Europeus (EOC), adiantou que não irá fazer mais comentários até à conclusão do assunto e que nunca esteve sob prisão domiciliária.

Hickey foi detido a 17 de agosto, no Rio de Janeiro, acusado de integrar uma rede de revenda ilegal de bilhetes para os Jogos Olímpicos, que teria gerado uma receita de pelo menos de 2,8 milhões de euros.

O governo irlandês lançou uma investigação independente sobre a venda ilegal de bilhetes através da extensão das investigações para os Jogos Olímpicos Londres2012 e Jogos Olímpicos de Inverno Sochi2014.

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.