sicnot

Perfil

Rock in Rio Lisboa

Rock in Rio Lisboa

Rock in Rio

Cara verde que brilha no escuro contagia centenas no Rock in Rio

O festival de música Rock in Rio, em Lisboa, tem uma quantidade crescente de pessoas de cara verde que brilha no escuro, uma "doença contagiosa" a favor do ambiente que, só na quinta-feira, infetou meio milhar.

O movimento de "cara verde", (#Faceforgreen) é uma iniciativa da Sociedade Ponto Verde, que promove a recolha seletiva de resíduos, e começou nas redes sociais, estreando-se agora ao vivo no Rock in Rio, o festival que decorre no Parque da Bela Vista, em Lisboa e que hoje vai no segundo dia.

A ideia, como explicou à Lusa o diretor de marketing da Sociedade Ponto Verde, Mário Raposo, é que as pessoas façam uma pintura verde na cara e se fotografem, colocando a fotografia numa rede social com #faceforgreen. "Ao partilhar com a hashtag (#, para classificar a palavra) cria-se um movimento de apelo aos jovens, para que participem fazendo a separação de resíduos", explicou.

Basicamente, o movimento, disse, quer promover a ideia, para que o público "puxe por festivais mais verdes, (para) que haja reciclagem, compensação de emissões, para que o festival tenha preocupações ambientais, porque um festival tem um impacto ambiental e é fundamental que as organizações ajudem a evitar, a prevenir e a compensar esses impactos".

De acordo com Mário Raposo, o Rock in Rio foi uma das primeiras organizações de festivais de música a preocupar-se com o ambiente e, por isso, o movimento da "faceforgreen" estrou-se na quinta-feira, com um local onde as pessoas aderem, deixando-se pintar de verde - foram mais de 500, só no primeiro dia (que se pintaram e colocaram a imagem com a hashtag) e hoje a fazer fila, à espera de se contagiarem, apesar do calor.

Mário Raposo admite que muitas das pessoas que chegam ao recinto fazem-no atraídas pela imagem, mas que depois "saem sensibilizadas" com a explicação breve dos propósitos enquanto dura o processo de pintura.

"Não é só pintar por pintar, é um manifesto por festivais mais verdes", afirma. E, garante, é só "o início de um movimento para estar todo o verão nos festivais", para que sejam "cem por cento verdes", para que "Portugal, com os seus quais 150 festivais, contribua para reduzir a sua pegada carbónica e o impacto que os resíduos causam".

Bruno Santos foi um dos jovens festivaleiros que não se pintou só por pintar. Fê-lo para apoiar a causa "faceforgreen", para que os espetáculos em Portugal, os festivais de música, "sejam mais amigos do ambiente", como explicou à Lusa.

Não conhecia o movimento mas aderiu de imediato e, à Lusa, acrescentou: "Acho que aquilo que pudermos melhorar, e ajudar o ambiente, é sempre uma boa causa".

Irina Soares foi outra das jovens que esperou ao sol para se pintar, porque achou piada, porque está no Rock in Rio para se divertir e, se puder apoiar uma causa, tanto melhor. "Vou já tirar a foto", garantiu, ainda que admitindo que, quem a vir assim, talvez não associe à defesa do ambiente.

E ainda Bruno Santos: "Não sei até que ponto as pessoas que andam a passear aqui sabem da causa ou têm conhecimento do porquê da cara verde, mas se as pinturas motivarem as outras pessoas, é sempre uma coisa melhor".

O Rock in Rio Lisboa é um dos poucos festivais no mundo certificado com a norma ISO 20121, de eventos sustentáveis, e o primeiro festival de verão a associar-se à cara pintada de verde, que não para de contagiar.

Lusa

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • Homem e cão resgatados das águas na Andaluzia
    0:32