sicnot

Perfil

Shimon Peres 1923-2016

Shimon Peres 1923-2016

Shimon Peres 1923-2016

Presidente israelita encurta visita à Ucrânia e expressa "profunda tristeza"

O Presidente de Israel, Reuven Rivlin, conclui hoje e antes do previsto a sua visita oficial à Ucrânia, devido à morte do seu antecessor, Shimon Peres, informou o seu gabinete.

Rivlin expressou "a sua profunda tristeza pela morte do ex-Presidente de Israel e ex-primeiro-ministro Shimon Peres às primeiras horas do dia", diz o comunicado, em que se assinala que ainda hoje regressa a Israel.

"A uma curta distância de onde estou em visita na Ucrânia, na cidade de Vishnyeva, Bielorrússia, nasceu Szymon Perski, que cresceu como um jovem com grandes sonhos", sublinhou o chefe de Estado israelita.

Reuven Rivlin recordou que a partir desse lugar da Europa do Leste emigrou para Israel e "nunca parou de trabalhar pelo movimento sionista, pelo Estado de Israel e pelo povo de Israel".

O chefe de Estado realçou ainda que "não há um capítulo da história do Estado de Israel em que Shimon não tenha escrito ou desempenhado um papel".

Ao mesmo tempo, "fez-nos olhar o futuro" e "fez-nos atrever a imaginar não o que houve aqui, ou o que há agora, mas aquilo que poderia haver", acrescentou Rivlin.

É "um dia triste para o povo israelita, para o Estado de Israel", concluiu.

Peres, que morreu hoje aos 93 anos, era o último sobrevivente da geração dos "pais fundadores" de Israel e ocupou quase todos os mais importantes cargos políticos em Israel: foi ministro de várias pastas em diversos governos, primeiro-ministro interino, primeiro-ministro e Presidente (2007-2014).

Em 1994, foi distinguido com o prémio Nobel da Paz, a par com o então primeiro-ministro israelita, Isaac Rabin e pelo líder palestiniano Yasser Arafat, pelo seu papel na negociação dos acordos de Oslo, assinados em 1993.

Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14