sicnot

Perfil

Sismo em Itália

Sismo em Itália faz dezenas de mortos

Em atualização

© Remo Casilli / Reuters

As autoridades continuam à procura de sobreviventes nos escombros. Vários edifícios colapsaram.

Última atualização 12.59

O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, prometeu hoje todos os esforços para "não deixar ninguém sozinho".

Renzi convocou a imprensa para a sede do governo para anunciar que vai visitar esta tarde as zonas afetadas e para agradecer a todos os italianos que estão a colaborar nos trabalhos de resgate.

"Quero agradecer a todos, em nome do Governo, àqueles que escavaram com as próprias mãos, aos que trataram das comunicações, quero agradecer a todos os que mostraram como é importante o trabalho voluntário e a proteção civil", disse.

"Não deixaremos ninguém sozinho, nenhuma família. Temos de trabalhar", disse Renzi, prometendo que nenhuma zona afetada será deixada para trás.

Já o Presidente da República português, Marcelo Rebelo de Sousa, enviou hoje uma mensagem de condolências ao seu homólogo italiano, Sérgio Mattarella, e o primeiro-ministro, António Costa, expressou hoje solidariedade e disponibilidade para ajudar Itália.

Também Ferro Rodrigues, presidente da Assembleia da República, enviou hoje de manhã uma mensagem de solidariedade à sua homóloga italiana.

Há dezenas de mortos e desaparecidos na sequência do sismo de 6,2 de magnitude na escala de Richter, que abalou o centro de Itália, informou a Proteção Civil italiana.

O terramoto ocorreu por volta das 03.36, 02:36 em Lisboa, numa cidade da província de Perúgia.

As cidades mais afetadas são Accumoli e Amatrice, a cerca de 80 quilómetros de Roma, que estão praticamente destruídas.
A Proteção Civil fala no colapso de muitos edifícios e na possibilidade de haver várias pessoas desaparecidas nos escombros.

O epicentro foi a dez quilómetros de profundidade. O abalo também foi sentido em Roma e foi seguido de várias réplicas, as autoridades contabilizaram 60 nas quatro horas que se seguiram ao sismo inicial.

O Governo está em contacto com a Proteção Civil para acompanhar a evolução da situação.
Os médios italianos e a Proteção Civil têm comparado este sismo ao último que se sentiu no país, em 2009. Nessa altura, o terramoto de Áquila matou mais de trezentas pessoas.

O Governo português já avançou que, até ao momento, não há registo de vítimas portuguesas.

  • A história de João Ricardo
    10:37
  • Parceiros sociais começam hoje debate sobre salário mínimo

    Economia

    Os parceiros sociais reúnem-se hoje com o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, para iniciarem a discussão sobre a atualização do salário mínimo para o próximo ano, com as centrais sindicais e confederações patronais a assumirem posições divergentes.Em cima da mesa estarão as propostas das centrais sindicais, com a CGTP a exigir 600 euros a partir de janeiro de 2018 e a UGT a reivindicar 585 euros como ponto de partida para a negociação.

  • Os 72 golos de mais uma noite de Liga Europa

    Liga Europa

    Os 16 avos-de-final da Liga Europa começam a ganhar forma. São já 16 as equipas apuradas para a próxima fase da competição, entre elas o Sporting de Braga, que somou mais uma vitória. Em sentido inverso, o Vitória de Guimarães saiu derrotado de Salzburgo e ficou mais longe da qualificação. A 5.ª jornada da fase de grupos jogou-se esta quinta-feira e ao todo marcaram-se 72 golos. Estão todos aqui, para ver ou rever.

  • "No fim, logo se vê" se foram quatro anos de uma legislatura perdida
    1:28

    País

    Pedro Passos Coelho acusa o Governo de perder uma legislatura. O presidente do PSD diz que "no fim, logo se vê" se foram ou não quatro anos de oportunidade perdida para o país. No último Conselho Nacional antes das eleições diretas do partido, Passos acusou o Executivo de perder o rumo e apontou os casos do Infarmed e do aumento do preço da água como exemplos de desorientação.

  • Marcelo apoia novo Mecanismo Europeu de Proteção Civil
    0:44

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa considera o novo Mecanismo de Proteção Civil uma ideia muito boa, que tem todo o apoio do Governo e do Presidente da República. Marcelo apenas lamenta que o modelo não existisse durante os incêndios deste ano.