sicnot

Perfil

Sismo em Itália

Novo sismo de 4,3 causa mais desabamentos em Amatrice

Um novo sismo de 4,3 na escala de Richter causou hoje mais desabamentos em Amatrice, uma das localidades mais afetadas pelo terramoto de 6,2 graus ocorrido na madrugada de quarta-feira em Itália e que matou 247 pessoas.

O novo sismo, ocorrido às 14:36 (13:36 em Lisboa), segundo o Instituto de Geofísica e Vulcanologia italiano, provocou a derrocada da fachada de um edifício situado junto ao parque de Amatrice, onde existe um alojamento temporário para voluntários que trabalham nas operações de socorro, constatou a agência noticiosa espanhola EFE.

O Instituto de Geofísica italiano divulgou a ocorrência de mais de 470 réplicas desde o sismo de 6,2 graus registado às 03:36 (02:36 em Lisboa) de quarta-feira.

Entre os de maior magnitude estão os ocorridos na quarta-feira às 04:33 (03:00 em Lisboa) na zona de Nórcia, Perúgia, com 5,4 graus, e às 19:45 (18:45 em Lisboa) com epicentro em Accumoli.

O terramoto de 6,2 graus fez 190 mortos na região de Lázio e 57 na de Marcas, figurando como um dos mais mortíferos dos últimos anos em Itália, de acordo com a Proteção Civil italiana.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.