sicnot

Perfil

Sismo no Nepal

Sismo no Nepal

Sismo no Nepal

Comunidade internacional mobiliza ajuda e meios de resgate para o Nepal

A comunidade internacional mobilizou equipas de resgate e ajuda humanitária para o Nepal, onde pelo menos 2.500 pessoas morreram e outras 6.000 ficaram feridas na sequência do pior sismo que atingiu aquele país, nos últimos 80 anos.

© Navesh Chitrakar / Reuters

O sismo, de magnitude 7,9 na escala de Richter, foi registado no sábado e teve o epicentro a cerca de 80 quilómetros de Katmandu. O abalo foi sentido noutros países, como Índia, Bangladesh e China, e provocou avalanchas nos Himalaias.

Uma violenta réplica de magnitude 6,7 na escala de Richter voltou hoje a abalar o território nepalês. O governo do Nepal decretou o estado de emergência nas zonas mais afetadas.

Membros do exército da Índia, país onde o sismo provocou pelo menos 51 mortos, foram mobilizados para a capital nepalesa de Katmandu, para ajudar nas operações de resgate. As autoridades indianas também mobilizaram vários helicópteros para sobrevoar a zona afetada.

São estes helicópteros que estão a ajudar nas operações de resgate dos montanhistas retidos na região do monte Everest, nos Himalaias, devido às avalanchas que ocorreram após o terramoto. O último balanço dava conta de 18 mortos e 51 feridos nesta região.

O Paquistão enviou hoje quatro aviões militares C-130 Hércules com pessoal, bens essenciais e material médico, incluindo um hospital de campanha, equipas especializadas em resgate, alimentos e água, segundo escreveu o diretor-geral das relações públicas do exército paquistanês, Asim Bajwal, na rede social Twitter.

A União Europeia (UE) também informou hoje que equipas europeias de assistência e de resgate já estão no terreno a trabalhar.

"Mobilizei todos os recursos da Comissão Europeia para dar uma resposta de emergência ao devastador sismo", disse o comissário para a Ajuda Humanitária e Gestão de Crises, Christos Stylianides.

Num comunicado, o comissário explicou que "peritos europeus em ajuda humanitária e proteção civil" já estão a trabalhar no Nepal, para avaliar as necessidades no terreno e coordenar a resposta com os parceiros internacionais.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros francês divulgou hoje ter enviado produtos de primeira necessidade e uma equipa de 11 socorristas para ajudar nas operações de resgate. 

A diplomacia francesa indicou que poderá disponibilizar mais meios em função das necessidades no terreno e dos pedidos das autoridades locais e das organizações não-governamentais (ONG).

O Governo espanhol anunciou que fretou um avião que vai transportar, em princípio, na segunda-feira, 30 toneladas de ajuda.

Também foi divulgado que será enviado um Airbus 310 da Força Aérea espanhola, a partir da capital indiana Nova Deli, para retirar os cerca de 120 cidadãos espanhóis que foram localizados na zona do sismo.

A China, onde também morreram 18 pessoas, vai igualmente enviar uma equipa de resgate com 40 peritos em ajuda humanitária, segundo informou o diário oficial do exército chinês.

A unidade chinesa também inclui seis cães treinados para efetuar buscas e localização de corpos.

O Japão anunciou o envio imediato de uma equipa especializada em gestão de catástrofes, formada por 70 polícias, bombeiros e pessoal da guarda costeira.

Washington informou igualmente sobre o envio "imediato" de uma equipa de peritos para o terreno e uma doação inicial de um milhão de dólares em ajuda.

Reino Unido, Bélgica e Israel também anunciaram o envio de equipas de especialistas para as operações de resgate. A ajuda de Telavive também integra uma equipa de emergência com 260 membros, incluindo médicos e outros profissionais de saúde.

Venezuela, Colômbia e Panamá também ofereceram ajuda ao Nepal.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, referiu, num comunicado, que "as Nações Unidas estão a apoiar o governo nepalês na coordenação das operações internacionais de busca e de resgate e estão a preparar a organização de um reforço da ajuda".



Lusa

  • Sismo de magnitude 4,0 provoca um morto em Nápoles

    Mundo

    Um sismo de magnitude 4,0 na escala de Richter atingiu esta segunda-feira a ilha de Ísquia no golfo de Nápoles, no mar Tirreno, no sul de Itália. De acordo com o jornal La Stampa uma mulher terá morrido e dois feridos estarão em perigo de vida.

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.