sicnot

Perfil

Sismo no Nepal

Sismo no Nepal

Sismo no Nepal

Comunidade internacional mobiliza ajuda e meios de resgate para o Nepal

A comunidade internacional mobilizou equipas de resgate e ajuda humanitária para o Nepal, onde pelo menos 2.500 pessoas morreram e outras 6.000 ficaram feridas na sequência do pior sismo que atingiu aquele país, nos últimos 80 anos.

© Navesh Chitrakar / Reuters

O sismo, de magnitude 7,9 na escala de Richter, foi registado no sábado e teve o epicentro a cerca de 80 quilómetros de Katmandu. O abalo foi sentido noutros países, como Índia, Bangladesh e China, e provocou avalanchas nos Himalaias.

Uma violenta réplica de magnitude 6,7 na escala de Richter voltou hoje a abalar o território nepalês. O governo do Nepal decretou o estado de emergência nas zonas mais afetadas.

Membros do exército da Índia, país onde o sismo provocou pelo menos 51 mortos, foram mobilizados para a capital nepalesa de Katmandu, para ajudar nas operações de resgate. As autoridades indianas também mobilizaram vários helicópteros para sobrevoar a zona afetada.

São estes helicópteros que estão a ajudar nas operações de resgate dos montanhistas retidos na região do monte Everest, nos Himalaias, devido às avalanchas que ocorreram após o terramoto. O último balanço dava conta de 18 mortos e 51 feridos nesta região.

O Paquistão enviou hoje quatro aviões militares C-130 Hércules com pessoal, bens essenciais e material médico, incluindo um hospital de campanha, equipas especializadas em resgate, alimentos e água, segundo escreveu o diretor-geral das relações públicas do exército paquistanês, Asim Bajwal, na rede social Twitter.

A União Europeia (UE) também informou hoje que equipas europeias de assistência e de resgate já estão no terreno a trabalhar.

"Mobilizei todos os recursos da Comissão Europeia para dar uma resposta de emergência ao devastador sismo", disse o comissário para a Ajuda Humanitária e Gestão de Crises, Christos Stylianides.

Num comunicado, o comissário explicou que "peritos europeus em ajuda humanitária e proteção civil" já estão a trabalhar no Nepal, para avaliar as necessidades no terreno e coordenar a resposta com os parceiros internacionais.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros francês divulgou hoje ter enviado produtos de primeira necessidade e uma equipa de 11 socorristas para ajudar nas operações de resgate. 

A diplomacia francesa indicou que poderá disponibilizar mais meios em função das necessidades no terreno e dos pedidos das autoridades locais e das organizações não-governamentais (ONG).

O Governo espanhol anunciou que fretou um avião que vai transportar, em princípio, na segunda-feira, 30 toneladas de ajuda.

Também foi divulgado que será enviado um Airbus 310 da Força Aérea espanhola, a partir da capital indiana Nova Deli, para retirar os cerca de 120 cidadãos espanhóis que foram localizados na zona do sismo.

A China, onde também morreram 18 pessoas, vai igualmente enviar uma equipa de resgate com 40 peritos em ajuda humanitária, segundo informou o diário oficial do exército chinês.

A unidade chinesa também inclui seis cães treinados para efetuar buscas e localização de corpos.

O Japão anunciou o envio imediato de uma equipa especializada em gestão de catástrofes, formada por 70 polícias, bombeiros e pessoal da guarda costeira.

Washington informou igualmente sobre o envio "imediato" de uma equipa de peritos para o terreno e uma doação inicial de um milhão de dólares em ajuda.

Reino Unido, Bélgica e Israel também anunciaram o envio de equipas de especialistas para as operações de resgate. A ajuda de Telavive também integra uma equipa de emergência com 260 membros, incluindo médicos e outros profissionais de saúde.

Venezuela, Colômbia e Panamá também ofereceram ajuda ao Nepal.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, referiu, num comunicado, que "as Nações Unidas estão a apoiar o governo nepalês na coordenação das operações internacionais de busca e de resgate e estão a preparar a organização de um reforço da ajuda".



Lusa

  • Passos elogia escolha de Paulo Macedo mas diz que não é suficiente
    1:47

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho diz que Paulo Macedo é competente para liderar os destinos da Caixa Geral de Depósitos, mas que a nomeação do antigo ministro não é suficiente para passar uma esponja sobre o assunto. Em Viseu, o líder do PSD não quis ainda avançar com um nome para a Câmara de Lisboa, depois de Santana Lopes afastar a hipótese de se candidatar.

  • O impacto e as consequências do referendo em Itália
    1:02
  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.