sicnot

Perfil

Sismo no Nepal

Sismo no Nepal

Sismo no Nepal

Estimativas da ONU apontam para 6,6 milhões de afetados pelo sismo no Nepal

Cerca de 6,6 milhões de pessoas que vivem em 30 distritos foram afetadas pelo forte sismo, que sacudiu, este sábado, o Nepal, causando pelo menos 1.800 mortos, segundo estimativas divulgadas hoje pela ONU.

© Navesh Chitrakar / Reuters

Em comunicado, o coordenador do gabinete das Nações Unidas para o Nepal, Jamie McGoldrick, indicou ter-se reunido com representantes do Governo nepalês para oferecer assistência e discutir as necessidades da resposta à catástrofe.

"Estamos prontos para ajudar o Governo do Nepal a responder a esta terrível tragédia", disse o coordenador da ONU em Katmandu, acrescentando que "serão envidados todos os esforços para assistir aqueles que precisam de ajuda".

Um terramoto de magnitude 7,8 na escala de Richter, com epicentro localizado cerca de 80 quilómetros da capital, destruiu inúmeros edifícios e monumentos históricos e foi sentido também noutros países da região, como Índia e China, onde também deixou vítimas.

O mais recente balanço divulgado hoje pelas autoridades informa de 1.896 mortes, 723 das quais registadas em Katmandu.

Uma equipa das Nações Unidas chegou, esta manhã, à capital para ajudar a identificar as necessidades mais imediatas dos afetados, indicou o gabinete da ONU.

"É essencial que ajamos da forma mais rápida e eficaz possível", disse o responsável, salientando ser "preciso garantir que não se perdem mais vidas e priorizar as necessidades dos mais vulneráveis", na mesma nota citada pela agência Xinhua.

  • Governo do Nepal aceitou ajuda humanitária internacional
    1:47

    Sismo no Nepal

    O Nepal declarou o estado de emergência e apelou à ajuda internacional. O maior terramoto dos últimos oitenta anos, com magnitude de 7,9, provocou mais de mil mortos e destruiu o centro histórico da capital Kathmandu. O sismo provocou ainda avalanchas no Everest e vítimas no Tibete e na Índia.

  • Nepal volta a tremer, novo balanço aponta para mais de 2.000 mortos

    Sismo no Nepal

    O último balanço das autoridades dá conta de mais de 2 mil mortos. O sismo de ontem é o maior dos últimos 80 anos. Provocou ainda avalanchas no Evereste e vítimas no Tibete e na Índia.Uma violenta réplica de magnitude 6,7 na escala de Richter abalou hoje o Nepal, um dia depois de um sismo devastador ter atingido o país e causado mais de 2.000 mortes, assim como na China e Índia, anunciou o Instituto Norte-Americano de Geofísica (USGS).

  • "Sinto-me como quem leva uma sova monumental"
    0:30
  • Temperaturas vão subir até 4ª feira

    País

    As temperaturas vão subir até esta quarta-feira, prevendo-se máximas entre os 22 e os 29 graus na generalidade do território, valores acima do normal para a época do ano, adiantou hoje a meteorologista Maria João Frada.

  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Equipa responsável por renovação da Proteção Civil ainda não é conhecida
    2:45

    País

    A constituição da unidade de missão que deverá entrar esta segunda-feira em funções para concretizar a reforma dos sistemas de prevenção e combate a incêndios ainda não é conhecida. A equipa de trabalho anunciada por António Costa será responsável por pôr de pé o novo sistema de Proteção Civil, aprovado no Conselho de Ministros extraordinário de sábado.

  • "Quero unir o PSD depois de o clarificar"
    1:17
  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31
  • Antigos presidentes dos EUA angariam 26 milhões para vítimas dos furacões
    0:58

    Mundo

    Os cinco antigos presidentes dos Estados Unidos da América ainda vivos juntaram-se para ajudar as vítimas dos furacões. Bill Clinton e Barack Obama lembraram as vítimas dos furacões e elogiaram o espírito solidário dos norte-americanos. Os antigos presidentes norte-americanos lançaram o apelo no início do mês passado e já conseguiram angariar cerca de 26 milhões de euros.