sicnot

Perfil

Sismo no Nepal

Sismo no Nepal

Sismo no Nepal

Facebook lança apelo para donativos às vítimas do sismo no Nepal

O Facebook lançou um apelo aos internautas para fazerem um donativo destinado às vítimas do sismo no Nepal e propôs oferecer 2 milhões de dólares para completar as contribuições que forem feitas. 

© China Stringer Network / Reut

"As pessoas manifestam a intenção de apoiar as vítimas do sismo que assolou as populações do Nepal, India e Bangladesh", explicou a direção do Facebook no seu blogue.

 

Na segunda-feira, o Facebook enviou aos seus utilizadores uma mensagem convidando-os a fazerem um donativo à Organização Não Governamental International Medical Corps, que enviou equipas de socorro para região sinistrada.

 

O Facebook também ativou um sistema de alerta, chamado de "verificação de segurança", permitindo que aqueles que estão na área onde ocorreu a catástrofe previnam os seus familiares e amigos de como se encontram.

 

Desde a introdução deste sistema, no último sábado, no Nepal, assim como em algumas áreas do Bangladesh, Índia e Butão, milhões de pessoas já relataram que estavam seguras enquanto dezenas de milhões disseram que pessoas que conhecem que se encontravam no local estão bem.

 

"Em tempos de crise, temos visto as pessoas recorrerem ao Facebook para saberem o que estava a acontecer, partilhar as suas experiencias e apoiar uns aos outros".

 

 

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.