sicnot

Perfil

Sismo no Nepal

Sismo no Nepal

Sismo no Nepal

UNICEF e UE enviam 80 toneladas de ajuda humanitária para o Nepal

A UNICEF, em parceria com a União Europeia (UE), anunciou hoje o envio de dois aviões de carga com 80 toneladas de ajuda humanitária para o Nepal, país recentemente atingido por um forte sismo. 

© Olivia Harris / Reuters

O primeiro avião partiu hoje do Dubai em direção à capital nepalesa, Katmandu, com uma carga de 40 toneladas de bens de emergência, divulgou, num comunicado, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). 

A partida do segundo aparelho, que vai transportar as restantes 40 toneladas de ajuda humanitária, está prevista para a próxima quarta-feira. 

Segundo a UNICEF, estes voos foram viabilizados através de uma contribuição de 400 mil euros do Departamento de Ação Humanitária e Proteção Civil da Comissão Europeia (ECHO). 

"Quando acontece uma catástrofe, é preciso ajudar depressa. A parceria UE-UNICEF tem sido capaz de reagir prontamente, fazendo chegar bens de primeira necessidade aos mais carenciados, mesmo quando a logística é excecionalmente desafiante. A nossa contribuição vai desempenhar um papel importante na ajuda às comunidades mais vulneráveis no Nepal", afirmou o diretor-geral do ECHO, Claus H. Sorensen, citado no comunicado.

Entre as 80 toneladas de ajuda vão estar artigos para as áreas da água, saneamento e higiene, incluindo materiais para tratamento de água, 'kits' para diarreias e para a cólera e contentores insufláveis para o fornecimento de água limpa, meios que pretendem travar, segundo a UNICEF, "o risco crescente de surtos de doenças com origem na água".

Os aviões vão ainda transportar 'kits' de saúde e oleados, uma vez que muitas famílias fugiram para espaços ao ar livre com receio da ocorrência de mais réplicas.

"A UNICEF conseguiu responder imediatamente às necessidades causadas pelo terramoto devastador", referiu a diretora-regional da UNICEF para o sul da Ásia, Karin Hulshof.

"Estes bens vão assegurar a continuidade dos serviços de saúde e manter os hospitais em funcionamento. Uma ajuda que vai acudir aos mais vulneráveis, aos feridos e a quem precisa de assistência médica urgente", frisou a mesma representante.

A UNICEF e os parceiros europeus preveem alcançar com esta ajuda humanitária cerca de 1,7 milhões de crianças, e as respetivas famílias, que foram atingidas pelo forte abalo, num total de 4,2 milhões de pessoas.

O forte abalo, de magnitude 7,8 na escala de Richter, foi registado no passado dia 25 de abril e provocou pelo menos 7.365 mortos e 14.366 feridos, segundo o balanço mais recente das autoridades nepalesas.



Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.