sicnot

Perfil

Sismo no Nepal

Sismo no Nepal

Sismo no Nepal

Sismo no Nepal já fez mais de 8.000 mortos e 17.500 feridos

O número de mortos causados pelo sismo que assolou o Nepal há 15 dias é superior a 8.000, sendo que os feridos rondam já os 17.500, segundo os últimos dados oficiais hoje divulgados pelo Governo nepalês.

© Olivia Harris / Reuters

Os mortos do sismo atingem já os 8.019 e os feridos ascendem a 17.866, a maioria dos quais são dos distritos de Sindhupalchowk, a norte da capital nepalesa e da região administrativa de Katmandu, revelou o Centro Nacional de Operações de Emergência na sua conta no twitter.

O Governo nepalês calcula em 290.800 as construções que foram totalmente destruídas e em mais de 251.800 as que ficaram parcialmente destruídas, após o sismo de 7,8 graus de magnitude na escala Richter e que ocorreu neste país asiático no 25 de abril passado.

A Organização das Nações Unidas (ONU) prevê que oito milhões de pessoas necessitem de ajuda e três milhões de alimentos, pelo que pediu 415 milhões de dólares (370,4 milhões de euros), dos quais só arrecadou até agora 10%, refere o Gabinete para a Coordenação dos Assuntos Humanitários daquela organização internacional.

Este foi o maior tremor de terra no Nepal nos últimos 80 anos e o pior na região dos Himalaias na última década, desde que em 2005 outro sismo causou a morte a mais de 84.000 pessoas em Caxemira.



Lusa
  • Madonna diz que América nunca desceu tão baixo
    2:12

    Mundo

    No mundo artístico, foram várias as vozes que se levantaram contra Trump, entre elas Madonna. A cantora disse esta quinta-feira em Nova Iorque, a propósito do dia da tomada de posse, que nunca a América desceu tão baixo. Já o ator Matthew McConaughey - que está em Londres - garantiu que não ia perder a cerimónia pela televisão.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida