sicnot

Perfil

Operação Marquês

Operação Marquês

Operação Marquês

Marcelo dividido sobre efeitos políticos de eventual prisão domiciliária de Sócrates

O ex-líder do PSD Marcelo Rebelo de Sousa disse este sábado estar "dividido sobre a dimensão dos efeitos políticos" da eventual prisão domiciliária de José Sócrates, não sabendo ainda se esta decisão será favorável ou prejudicial para a campanha socialista.

O Ministério Público (MP) propôs a alteração da medida de coação do ex-primeiro-ministro José Sócrates, de prisão preventiva para prisão domiciliária. (Arquivo)

O Ministério Público (MP) propôs a alteração da medida de coação do ex-primeiro-ministro José Sócrates, de prisão preventiva para prisão domiciliária. (Arquivo)

Paulo Duarte / AP

O Ministério Público (MP) propôs a alteração da medida de coação do ex-primeiro-ministro José Sócrates, de prisão preventiva para prisão domiciliária, disse hoje aos jornalistas o advogado de José Sócrates, à saída do estabelecimento Prisional de Évora.

À chegada para um jantar-conferência do PSD/Vale de Cambra, Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações à agência Lusa e à SIC, Marcelo Rebelo de Sousa começou por comentar que "se isso acontecer não é uma surpresa" e, "numa primeira fase e em cima do acontecimento", disse estar "dividido sobre a dimensão dos efeitos políticos", podendo "dar para um lado ou para o outro".

"Por um lado, é evidente na cabeça de muita gente que isto significa um bocado apressadamente que se ele saiu é porque não é culpado ou é menos culpado. O que não é bem assim porque isto não tem a ver com o fundo do processo, mas na cabeça de muita gente significa que apesar de tudo não é tão grave para não o terem lá dentro. E isso, objetivamente, é favorável ao PS", antecipou.

Por outro lado, na opinião do antigo presidente do PSD, o facto de José Sócrates "estar cá fora significa ser o centro de todas as atenções" e assim "a campanha que até agora tinha passado à margem daquele assunto, pode de repente ter um fator novo que se chama José Sócrates, a favor e contra".

"E isso já não é tão bom para o PS porque em campanha o que interessa é o novo líder e olhar para o futuro e não falar do passado", explicou.

"Ou era agora ou era daqui a três meses e se o Ministério Público está convencido que neste momento não há razões de risco para o processo, o demorar mais três meses significaria a decisão ser tomada em cima da campanha eleitoral. E aí a interpretação política era muito pior", acrescentou ainda.

Para Marcelo Rebelo de Sousa "faz todo sentido esta decisão, se não há elementos que justifiquem agora a proteção do processo", ressalvando que apesar de esta ser tomada "por razões de direito", o facto de Sócrates ser político traz efeitos neste campo.

"Mesmo quando se pensaria que este ano político ia ser um ano que passava ao lado dele, é impossível passar ao lado dele, para bem e para mal. O que tem lógica porque foi primeiro-ministro. É muito difícil, num processo destes, havendo uma campanha eleitoral em curso não haver o risco de vez em quando haver umas misturas", considerou ainda.

José Sócrates foi detido a 21 de novembro de 2014, no aeroporto de Lisboa, no âmbito da "Operação Marquês". Está indiciado pelos crimes de crimes de fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais e corrupção, sendo o único arguido ainda em prisão preventiva neste processo, depois de o empresário Carlos Santos Silva estar em prisão domiciliária, com pulseira eletrónica, desde o final de maio. 
Lusa
  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de cinco anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15

    Opinião

    José Gomes Ferreira diz que as pessoas que ateiam fogo nas florestas sabem "estudar os dias e o vento para arder o máximo possível". Em entrevista no Jornal da Noite, o diretor-adjunto de Informação da SIC, fala na importância de haver uma auditoria para tentar perceber o porquê de haver tantas ignições e saber se há alguém que ganhe com esta vaga de incêndios. 

    José Gomes Ferreira

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.