sicnot

Perfil

Operação Marquês

Operação Marquês

Operação Marquês

Pedido de libertação imediata de Sócrates é analisado amanhã

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) analisa na quarta-feira o pedido de libertação imediata (habeas corpus) do ex-primeiro-ministro José Sócrates apresentado a semana passada por um jurista do norte do país.

O ano noticioso ficou, em muito, marcado pela detenção inédita de um antigo primeiro-ministro português. José Sócrates foi detido na noite do dia 21 de novembro, no âmbito de um processo em que se investigam crimes de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção. Sócrates continua em prisão preventiva, no estabelecimento prisional de Évora.

O ano noticioso ficou, em muito, marcado pela detenção inédita de um antigo primeiro-ministro português. José Sócrates foi detido na noite do dia 21 de novembro, no âmbito de um processo em que se investigam crimes de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção. Sócrates continua em prisão preventiva, no estabelecimento prisional de Évora.

Reuters

A sessão está marcada para as 10:30 no STJ e tem como relator o conselheiro Raul Borges. Será seu adjunto o conselheiro João Silva Miguel.

O pedido foi apresentado por Miguel Paulo de Sousa Mota Cardoso, o cidadão que, a 28 de novembro de 2014, apresentou o primeiro pedido de libertação imediata do ex-primeiro-ministro.

José Sócrates foi detido a 21 de novembro de 2014, no aeroporto de Lisboa, e está em prisão preventiva no Estabelecimento Prisional de Évora.

O ex-líder do PS está indiciado pelos crimes de fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais e corrupção passiva para ato ilícito, sendo o único arguido ainda em prisão preventiva neste processo.



Lusa
  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".