sicnot

Perfil

Operação Marquês

Operação Marquês

Operação Marquês

Relação rejeita mais um recurso de Sócrates

O Tribunal da Relação de Lisboa recusou hoje o recurso apresentado pela defesa de José Sócrates, que contestava a declaração de especial complexidade do processo judicial, foi hoje divulgado pelo juiz presidente do TRL.

Sócrates acusa o Ministério Público de não ser capaz de apresentar provas nem factos que sustentem a acusação e diz que, ao fim de seis meses da prisão preventiva, em que foi alvo de uma "violenta campanha de difamação, abuso, mentiras e caça ao homem", o procurador não tem provas e acrescenta aliás que nem as terá daqui a mais seis meses. (Arquivo)

Sócrates acusa o Ministério Público de não ser capaz de apresentar provas nem factos que sustentem a acusação e diz que, ao fim de seis meses da prisão preventiva, em que foi alvo de uma "violenta campanha de difamação, abuso, mentiras e caça ao homem", o procurador não tem provas e acrescenta aliás que nem as terá daqui a mais seis meses. (Arquivo)

Francisco Seco / AP

A decisão do tribunal superior foi tomada por maioria, tendo votado vencido o juiz relator José Reis, que no seu voto considerou que não se verifica a especial complexidade do processo de José Sócrates. 

Caso o entendimento do relator tivesse vingado, isso teria como efeito a libertação de José Sócrates, preso preventivamente desde novembro de 2014, por ultrapassagem dos prazos processuais.

A declaração de especial complexidade de um processo judicial tem implicações nos prazos de inquérito/investigação e estes relacionam-se com a duração máxima da medida de coação de prisão preventiva.

O TRL indeferiu também as nulidades evocadas pelos advogados no mesmo recurso.  

A recusa de aceitar o recurso foi tomada pelas desembargadoras Laura Maurício e Teresa Féria, tendo José Reis votado vencido apenas na questão da especial complexidade do processo. 

José Sócrates foi detido a 21 de novembro de 2014, no aeroporto de Lisboa, e está indiciado por fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais e corrupção passiva para ato ilícito, sendo o único arguido ainda em prisão preventiva no âmbito da "Operação Marquês".

Lusa

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Filhos tentam anular casamento de pai de 101 anos

    País

    O casamento de um homem de 101 anos com uma mulher com metade da idade, em Bragança, está a ser contestado judicialmente pelos filhos do idoso, que acusam aquela que era empregada da família de querer ser herdeira.