sicnot

Perfil

Operação Marquês

Operação Marquês

Operação Marquês

Sócrates diz estar a ser "vítima" de uma "monstruosa injustiça"

José Sócrates diz que foi detido e continua preso apenas para impedir o PS de ganhar as próximas eleições legislativas. Numa entrevista conjunta à TSF e ao jornal Diário de Notícias, o antigo primeiro-ministro insiste que é por motivos políticos que está a ser "vítima" de uma "monstruosa injustiça".

Sócrates acusa o Ministério Público de não ser capaz de apresentar provas nem factos que sustentem a acusação e diz que, ao fim de seis meses da prisão preventiva, em que foi alvo de uma "violenta campanha de difamação, abuso, mentiras e caça ao homem", o procurador não tem provas e acrescenta aliás que nem as terá daqui a mais seis meses. (Arquivo)

Sócrates acusa o Ministério Público de não ser capaz de apresentar provas nem factos que sustentem a acusação e diz que, ao fim de seis meses da prisão preventiva, em que foi alvo de uma "violenta campanha de difamação, abuso, mentiras e caça ao homem", o procurador não tem provas e acrescenta aliás que nem as terá daqui a mais seis meses. (Arquivo)

Francisco Seco / AP

Sócrates acusa o Ministério Público de não ser capaz de apresentar provas nem factos que sustentem a acusação e diz que, ao fim de seis meses da prisão preventiva, em que foi alvo de uma "violenta campanha de difamação, abuso, mentiras e caça ao homem", o procurador não tem provas e acrescenta aliás que nem as terá daqui a mais seis meses.

O antigo primeiro-ministro considera que a Justiça está envolvida numa suspeita de instrumentalização política, mas é muito claro ao afirmar que, em período pré-eleitoral, não vai ter qualquer palavra que possa prejudicar a liderança do PS.
  • Alemães protestam contra a Extrema-Direita
    0:39
  • Incêndio urbano em Coimbra deixa cinco pessoas desalojadas

    País

    Um incêndio numa habitação na cidade de Coimbra deixou este domingo cinco pessoas desalojadas, disse à agência Lusa fonte dos Bombeiros Sapadores. Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Coimbra adiantou que o fogo destruiu uma parte substancial de um edifício de três andares em frente à sede da Associação Académica de Coimbra, na rua Padre António Vieira.