sicnot

Perfil

Operação Marquês

Operação Marquês

Operação Marquês

Acusar Sócrates de favorecer empreendimento algarvio é "leviandade", diz defesa

A defesa de José Sócrates considerou esta segunda-feira uma "leviandade" a imputação de corrupção para ato ilícito atribuída pelo Ministério Público ao ex-primeiro-ministro, baseada numa decisão governamental destinada a favorecer o empreendimento de Vale de Lobo, no Algarve.

"[O motorista do antigo primeiro-ministro, João Perna,] nunca foi a Paris, nunca levou malas de dinheiro para Paris e o carro do senhor engenheiro José Sócrates nunca passou de Espanha." - João Araújo, advogado de José Sócrates, em 18-12-2014

"[O motorista do antigo primeiro-ministro, João Perna,] nunca foi a Paris, nunca levou malas de dinheiro para Paris e o carro do senhor engenheiro José Sócrates nunca passou de Espanha." - João Araújo, advogado de José Sócrates, em 18-12-2014

ANDR\303\211 SANANO / Lusa

A posição dos advogados João Araújo e Pedro Delille foi expressada durante um colóquio, em Lisboa, para debater o Plano Regional de Ordenamento do Território (PROT) Algarve 2, que teve a participação de Nunes Correia, ex-ministro do Ambiente do governo PS, de Miguel Prata Roque, especialista em Direito Administrativo, e de Luís Gomes, presidente da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António.

Todos os intervenientes disseram não perceber como é que Sócrates poderia ter beneficiado o empreendimento de Vale de Lobo, através do PROT Algarve 2, tendo o ex-ministro do Ambiente manifestado "estupefação" com tal possibilidade avançada pelo Ministério Público (MP), porque "não tem nenhuma adesão à realidade".

Segundo Nunes Correia, o regime jurídico PROT "não vincula os particulares", tratando-se de um documento "meramente enquadrador". Além do mais, disse, José Sócrates "não teve qualquer interferência" no PROT Algarve 2.

João Araújo revelou que quando Sócrates foi chamado a Lisboa para um interrogatório complementar, foi confrontado pelo procurador Rosário Teixeira com uma nova imputação de factos: de que o empreendimento de Vale de Lobo foi favorecido pela decisão de aprovação do PROT Algarve 2, através de uma resolução do Conselho de Ministros presidido pelo ex-chefe do Governo.

"Finalmente (Sócrates) foi confrontado com este facto ´assim-assim´. Foi o primeiro facto que se arranjou", ironizou João Araújo, observando que o "último governo que beneficiou Vale de Lobo foi o de Cavaco Silva".

O advogado lembrou que "a prisão ilegal, sem motivo nenhum", do ex-líder do PS "já dura há sete meses", alertando para o facto de Portugal estar a assistir a uma "redução assustadora das garantias dos cidadãos", em que os magistrados têm uma "agenda política corporativa".

Pedro Delille reafirmou que a ideia do MP, de que o empresário Carlos Santos Silva funcionava como "testa de ferro" de Sócrates, no circuito do dinheiro, "não tem lastro nos factos" e que não descortina qual a ilicitude ou o favorecimento que querem imputar ao ex-líder socialista.

O advogado Garcia Pereira, presente na sessão, acusou o MP de "fazer o que quer no inquérito sem qualquer controlo jurisdicional", notando que basta ao MP colocar o processo no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) para que seja sempre o mesmo juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC) a acompanhar o caso.

"Quando são arguidos de direita ou de extrema-direita, o MP arquiva", disse Garcia Pereira, apontando os processos Portucale, submarinos, Pandur e da banca, em que o banqueiro Ricardo Salgado (BES) ainda não terá sido constituído arguido, tendo-o sido apenas no caso Monte Branco.

Garcia Pereira referiu que o PCTP-MRPP já exigiu a libertação de José Sócrates por entender que ele é um "preso político". Frisou ainda que em Portugal a "justiça criminal está nas mãos da direita e da extrema-direita" e que tudo o que está a acontecer é "inaceitável".

Lusa

  • Diogo Gaspar Ferreira diz que está a ser vítima de uma cabala
    0:31

    Operação Marquês

    O processo Marquês tem mais um arguido. Trata-se, segundo noticia hoje o Expresso, de Diogo Gaspar Ferreira, o diretor executivo do empreendimento Vale do Lobo, no Algarve. Diogo Ferreira terá sido interrogado na sexta-feira pelo procurador da investigação. O diretor executivo do empreendimento turístico de Almancil diz ser vítima de uma cabala contra ele e Vale do Lobo e que não quer servir de bode expiatório no caso que envolve o ex-primeiro ministro. Diogo Gaspar Ferreira nega ter dado ordens de tranferência de dinheiro, nega conhecer Carlos Santos Silva e José Sócrates. Em maio, Vale do Lobo foi alvo de buscas. O Ministério Público suspeita que José Sócrates tenha sido subornado para favorecer o empreendimento. Contactado pela SIC, Diogo Gaspar Ferreira recusou prestar qualquer declaração.

  • Negligência é a principal causa dos incêndios
    1:32

    País

    A Polícia Judiciária deteve mais dois suspeitos de fogo posto este fim de semana. Ao todo já foram detidas pelo menos 99 pessoas pelas autoridades desde o início do ano, a maioria suspeitas de agirem intencionalmente. Mas desde 1 de janeiro até meados deste mês, dos 8 mil incêndios investigados pela GNR, mais de 3.300 tiveram causa negligente. 

  • Nicolás Maduro quer convocar "cimeira mundial de solidariedade"

    Mundo

    O Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, reiterou este sábado que convocará uma "cimeira mundial de solidariedade" com o país, que permita atenuar a "campanha criminosa" que considera existir contra a Venezuela, cujo Governo está cada vez mais isolado internacionalmente.

  • Concentração de motos em Góis
    2:28

    País

    Durante este fim de semana, decorre uma das concentrações de motards mais concorridas do país. A organização esperava cerca de 20 mil visitantes em Góis.