sicnot

Perfil

Operação Marquês

Operação Marquês

Operação Marquês

Joaquim Barroca paga 400 mil euros para deixar prisão domiciliária

Joaquim Barróca, um dos donos do Grupo Lena e alegado corruptor de José Sócrates, terá de pagar uma caução de 400 mil euros para deixar de estar em prisão domiciliária.

Joaquim Barroca é suspeito de ter feito depósitos em contas "offshore", que o Ministério Público acredita terem tido como último destinatário José Sócrates. (Arquivo)

Joaquim Barroca é suspeito de ter feito depósitos em contas "offshore", que o Ministério Público acredita terem tido como último destinatário José Sócrates. (Arquivo)

Assim que pagar a caução, o empresário ficará proibido de se ausentar do país e de contactar os outros arguidos do processo.

A alteração da medida de coação foi decidida hoje pelo juiz Carlos Alexandre. por proposta do Ministério Público.

Joaquim Barroca é suspeito de ter feito depósitos em contas "offshore", que o Ministério Público acredita terem tido como último destinatário o antigo primeiro-ministro, como contrapartida por alegados atos de favorecimento à empresa de construção.

Entretanto, José Sócrates completa amanhã oito meses em prisão preventiva. Em junho, o antigo governante recusou ir para casa com pulseira electrónica.

  • Advogados negam envolvimento de Sócrates em corrupção no Grupo Lena
    1:40

    Operação Marquês

    Perante a detenção de Joaquim Barroca Rodrigues, no âmbito da Operação Marquês, os advogados de José Sócrates vieram esta sexta-feira reafirmar que o antigo primeiro-ministro não está envolvido em atos de corrupção no Grupo Lena. Em conferência de imprensa, João Araújo acusou o Ministério Público de querer manter um espetáculo encenado para justificar a prisão preventiva de Sócrates.

  • Militares da revolução denunciam corrupção nos órgãos de poder
    3:22

    País

    O presidente da Associação 25 de Abril acusa a classe política de não ter interesse em travar a corrupção em Portugal. Vasco Lourenço e Otelo Saraiva de Carvalho, dois dos militares da revolução, consideram que a corrupção está entranhada nos órgãos de poder e deve ser denunciada.

  • "Está prevista mais uma melhoria do rating para breve"
    2:46
  • Fábrica na Covilhã vai produzir para marcas de luxo
    1:47

    Economia

    A Covilhã foi a cidade portuguesa escolhida para a instalação de uma nova fábrica de produção de peças para marcas de luxo. O Grupo FM Industries Sycrilor vai reforçar o investimento na cidade e será responsável pelo polimento de metais para as marcas Louis Vuitton e Cartier.