sicnot

Perfil

Operação Marquês

Operação Marquês

Operação Marquês

Ministério Público analisa queixa de Sócrates contra dirigente sindical

O Conselho Superior do Ministério Público (CSMP) aprecia hoje, em plenário, a queixa de José Sócrates contra o presidente do Sindicato dos Magistrados do MP, relacionada com comentários seus à entrevista do ex-primeiro-ministro à TVI, por causa da "Operação Marquês".

© Hugo Correia / Reuters

Segundo a Procuradoria-Geral da República (PGR), a queixa de José Sócrates contra António Ventinhas, para instauração de procedimento disciplinar e criminal, foi remetida, por correio eletrónico, à PGR, a 18 de dezembro, tendo sido emitido despacho, a 22 de dezembro último, no sentido de remeter uma cópia à Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa para instauração de inquérito, e outra cópia ao CSMP, órgão com competência disciplinar.

A 29 de dezembro - adianta a PGR - ficou agendado, para a reunião plenária do CSMP, a apreciação da matéria objeto da queixa.

A PGR esclarece que, mais recentemente (06 janeiro), foi recebida uma nova exposição da defesa de José Sócrates, relacionada com a mesma matéria, dirigida aos membros do CSMP, tendo a procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal, enquanto presidente deste órgão, remetido a exposição ao CSMP para que "seja junta" à outra participação, recebida a 18 de dezembro.

Na queixa, Sócrates pede aos membros do CSMP para que promovam "urgentemente" os procedimentos adequados à "reparação das ofensas, à reposição do Direito e à salvaguarda da dignidade do MP e da confiança que ele deve merecer".

Além das alegadas ofensas à honra e consideração, o ex-primeiro-ministro diz que o presidente do SMMP o ofendeu intencionalmente ao "insinuar (...) ser ele um 'ladrão'", numa ofensa "tão grosseira que só o ódio pessoal pode explicar".

A defesa de Sócrates entende ainda que o presidente do SMMP violou os princípios fundamentais do Estado de Direito, designadamente o direito à presunção de inocência e a um processo justo e equitativo, tendo criado no público a convicção de culpa do arguido.

Alega ainda que António Ventinhas violou deveres estatutários do cargo e da função, atingindo o prestígio e a dignidade da instituição a que pertence.

A queixa de Sócrates prende-se com declarações de António Ventinhas à Lusa, TVI e Público, a 15 de dezembro, em que o presidente do SMMP afirmou que "o principal responsável pela existência" do processo Operação Marquês se chama José Sócrates, "porque se não tivesse praticado os factos ilícitos, este processo não teria acontecido".

O procurador salientou ainda a necessidade de os portugueses decidirem se querem "perseguir políticos corruptos, se querem acreditar nos polícias ou nos ladrões".

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.