sicnot

Perfil

Operação Marquês

Operação Marquês

Operação Marquês

Bataglia admitiu que emprestou 7 M€ a um primo de Sócrates

O empresário luso-angolano Hélder Bataglia, um dos arguidos da Operação Marquês, admitiu num interrogatório que emprestou 7 milhões de euros a um primo de José Sócrates. De acordo com o jornal Público, uma parte desse dinheiro, cerca de 5,5 milhões de euros, terá ido parar às contas de Santos Silva.

No interrogatório, feito em abril, Helder Bataglia foi constituído arguido por suspeitas de corrupção ativa, branqueamento de capitais e fraude fiscal qualificada, diz ainda o Público, que o empresário terá desmentido qualquer vantagem a Sócrates quer de forma direta quer indireta.

Bataglia é uma figura chave no processo. Segundo o Ministério Público terá sido através de contas off shore que o empresário controlava, que terão sido transferidos perto de 17,5 milhões de euros que acabaram em contas de Santos Silva na Suíça.

O Público acrescenta ainda que, de acordo com o Ministério Público, o dinheiro que chegou às contas de Bataglia teve origem no Banco Espírito Santo Angola, onde o empresário foi acionista e administrador, e da ES Enterprises, que se suspeita ser um saco azul do GES para pagamentos não documentados.

  • Lei que permite a entrada de animais em espaços de restauração gera dúvidas
    2:23

    País

    A lei que permite a entrada de animais de companhia em estabelecimentos de restauração, que entrou hoje em vigor, está a gerar dúvidas para os proprietários. Até ao momento são poucos os estabelecimentos que aderiram e a previsão é para que assim continue. A DECO questionou 1800 pessoas sobre a presença dos animais nos restaurantes e apenas 25% votou a favor.

  • "Isto é a demagogia à solta"
    0:45

    Opinião

    Quem o diz é Luís Marques Mendes a propósito da aprovação esta semana da lei do CDS-PP que elimina o adicional do imposto sobre os combustíveis. O comentador da SIC critica a oposição por ter levado a votação uma lei inconstitucional e acusa ainda os parceiros de Governo de deslealdade. 

    Luís Marques Mendes