sicnot

Perfil

Operação Marquês

"Mentiras absurdas e inventadas", garante presidente do Grupo Lena

"Mentiras absurdas e inventadas", garante presidente do Grupo Lena

O presidente do Grupo Lena garante que nunca disse ainda que a empresa pagou favores políticos a José Sócrates. Joaquim Paulo da Conceição desmente a manchete do Correio da Manhã.

O presidente executivo do Grupo Lena Joaquim Paulo da Conceição considerou hoje que o Correio da Manhã cometeu um crime ao noticiar alegadas citações suas no processo Operação Marquês, que diz serem "absurdas e mentirosas".

"Mentiras absurdas e inventadas não é jornalismo. É crime e têm de ser punidas", disse em conferência de imprensa Joaquim Paulo da Conceição depois de o jornal ter hoje titulado em primeira página: "presidente do Lena confessa subornos a Sócrates", "Grupo Lena procurou apoio político através de Sócrates a quem pagava".

"Vamos pedir (o grupo Lena) para sermos ressarcidos dos danos causados", acrescentou o presidente do grupo de Leiria, depois de ter negado categoricamente que, no âmbito do processo da Operação Marquês, tenha feito pagamentos ao ex-primeiro-ministro para conseguir negócios para as suas empresas, questionando mesmo "os objetivos desta construção mentirosa".

A Operação Marquês conta com 18 arguidos, incluindo José Sócrates, que esteve preso preventivamente mais de nove meses, e que está indiciado por fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais e corrupção passiva para ato ilícito.

José Sócrates foi o primeiro ex-chefe do Governo a ser detido preventivamente em Portugal, indiciado por corrupção, fraude fiscal e branqueamento de capitais.

Entre os arguidos no processo estão o ex-administrador da CGD e antigo ministro socialista Armando Vara e a sua filha Bárbara Vara, Carlos Santos Silva, empresário e amigo do ex-primeiro-ministro, Joaquim Barroca, empresário do grupo Lena, João Perna, antigo motorista do ex-líder do PS, Paulo Lalanda de Castro, do grupo Octapharma, Inês do Rosário, mulher de Carlos Santos Silva, o advogado Gonçalo Trindade Ferreira e os empresários Diogo Gaspar Ferreira e Rui Mão de Ferro e o empresário luso-angolano Helder Bataglia.

Na quarta-feira, a Procuradoria-Geral da República informou que concedeu mais seis meses para a "realização de todas as diligências de investigação consideradas imprescindíveis" no processo.

Com Lusa

  • Governo quer aumentar fiscalização a baixas fraudulentas
    1:10

    País

    O Governo quer criar uma bolsa de médicos para fiscalizar quem recebe o subsídio por doença. A intenção foi manifestada à TSF pela secretária de Estado da Segurança Social. Em 2016 foram detetados mais de 56 mil trabalhadores com baixa médica que afinal estavam aptos para trabalhar.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.