sicnot

Perfil

Operação Marquês

Operação Marquês

Operação Marquês

PGR esclarece que não foi fixada data para conclusão de inquérito à Operação Maquês

RICARDO GRA\303\207A

A Procuradoria-Geral da República (PGR) esclareceu este sábado que não foi fixada, de momento, qualquer data para a conclusão do inquérito e emissão de despacho final da Operação Marquês, tendo apenas sido prorrogado o prazo.

Num esclarecimento enviado à comunicação social, a PGR refere que Joana Marques Vidal atendeu ao pedido de "prorrogação do prazo para a conclusão do inquérito e emissão de despacho final" solicitado pelos magistrados titulares da Operação Marquês".

No entanto, adianta a nota, a procuradora-geral da República "não fixou, até ao momento, prazo para o encerramento do inquérito e emissão de despacho final", tendo sido o final do mês de junho o prazo estimado pelos procuradores do processo para a conclusão dos trabalhos.

O esclarecimento da PGR surge após Joana Marques Vidal ter anunciado, num comunicado divulgado na sexta-feira, que decidiu prolongar o prazo de investigação da Operação Marquês a pedido dos procuradores do processo, que solicitaram um prolongamento até final de junho.

Na nota divulgada este sábado, a procuradora-geral da República sublinhou também que determinou ao diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), Amadeu Guerra, para "prestar informação sobre a evolução do inquérito até finais de abril", altura em que terá que indicar, "se esse for o caso, um prazo que se mostre ainda necessário à conclusão dos trabalhos".

Em abril, deverá ser também ponderada "a adoção de medidas de gestão que se mostrem adequadas a que o prazo a definir seja cumprido", refere ainda a PGR.

Os procuradores da Operação Marquês justificam o adiamento da conclusão do inquérito com a necessidade de aprofundar a investigação ligada à PT, realizar novas diligências e com atrasos de Angola e Suíça na resposta a cartas rogatórias, segundo a nota divulgada na sexta-feira pela PGR.

Os procuradores fundamentam ainda o pedido com a insuficiência dos relatórios de análise de prova, apresentados pelo órgão de polícia criminal, em relação a alguns segmentos, adiantando que o Ministério Público precisa de realizar pesquisas na totalidade do acervo de prova.

A 14 de setembro de 2016, a procuradora-geral da República tinha decidido conceder mais 180 dias, prazo que terminou na sexta-feira, aos titulares do inquérito, que envolve o ex-primeiro-ministro José Sócrates.

A Operação Marquês, que investiga crimes de corrupção, branqueamento de capitais, fraude fiscal, recebimento indevido de vantagem, falsificação e tráfico de influência, foi tornada pública pelo Ministério Público em novembro de 2014 e conta agora com 28 arguidos, dos quais nove empresas.

Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Hotel inovador na Madeira
    2:23

    Economia

    O grupo Pestana está a construir no Funchal, um novo e único hotel, através de uma técnica inovadora que quase não utiliza cimento. Este vai ser o primeiro hotel do mundo construído com um sistema modular desenvolvido em Portugal. O hotel vai ter 77 quartos e vai ficar construído em apenas seis meses. O maior grupo hoteleiro português admite recorrer a este novo sistema em futuros hotéis.

  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.