sicnot

Perfil

Operação Marquês

Operação Marquês

Operação Marquês

Grupo Lena pondera pedir abertura de instrução do processo

O Grupo Lena, que detém as empresas Lena Engenharia e Construções, SA, Lena Engenharia e Construções, SGPS e Lena SGPS, acusadas na Operação Marquês, pondera pedir a instrução do processo.

Numa nota enviada à comunicação social, a Comissão Executiva do Grupo Lena afirma que vai "analisar, em conjunto com os advogados, o teor da acusação deduzida, sendo praticamente certo" que irão pedir "a abertura da instrução do processo".

"É revelador da consistência das acusações do Ministério Público a enorme discrepância entre as acusações e suspeitas iniciais, em que o Grupo Lena era apresentado e exposto na praça pública como o único corruptor do antigo primeiro-ministro José Sócrates, e as acusações agora concretizadas, em que o Grupo Lena, para o mesmo Ministério Público, tem um papel residual nessa alegada teia de corrupção", refere ainda a nota.

O Grupo Lena considera também que, "pelo conhecimento que tem dos factos, não será possível provar em juízo nenhuma das acusações contra o Grupo Lena, na medida em que nenhuma delas corresponde à verdade, sendo apenas teorias da acusação, sem nenhuma prova que as sustente".

Segundo a nota, existe uma "diferença abissal entre as suspeitas tornadas públicas inicialmente e o teor da acusação agora produzida".

A Comissão Executiva do Grupo Lena entende também que é "da mais elementar justiça o arquivamento do processo respeitante ao CEO do Grupo Lena", Joaquim Paulo da Conceição, "que consequentemente deixou de ser arguido neste processo".

Segundo o comunicado, "nunca se percebeu, a não ser para melhor assegurar a sua defesa enquanto cidadão e profissional, a razão da constituição como arguido de Joaquim Paulo da Conceição, que na altura dos pretensos factos nem sequer exercia funções na 'holding' do Grupo Lena".

O Grupo Lena apela "aos seus vários 'stakeholders', desde logo os milhares de colaboradores, mas também os clientes, fornecedores e banca, para, agora com confiança redobrada, continuarem a apoiar o Grupo Lena na superação das dificuldades, garantindo que não esmorecerá até o processo ter fim".

No sentido, diz a nota, de "conseguir resgatar a reputação do Grupo Lena, injustamente vilipendiada, com o apuramento da verdade, que não poderá deixar de ilibar total e completamente o Grupo e os seus gestores".

De acordo com o despacho publicado pela Procuradoria-Geral da República, Joaquim Barroca Rodrigues, ex-administrador executivo e fundador do Grupo Lena, está acusado pela prática de crimes de corrupção ativa de titular de cargo político (1), corrupção ativa (1), branqueamento de capitais (7), falsificação de documento (3) e fraude fiscal qualificada (2).Já a Lena Engenharia e Construções, SA, foi acusada da prática de crimes de corrupção ativa (2) branqueamento de capitais (3) e fraude fiscal qualificada (2).

A Lena Engenharia e Construções, SGPS foi acusada dos crimes de corrupção ativa (2) e branqueamento de capitais (1), exatamente o mesmo número e tipo de crimes da Lena SGPS.Na "Operação Marquês" estão acusados 28 arguidos, 19 pessoas e nove empresas, num total de 188 crimes.

Com Lusa

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57
  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31
  • 245 saltam de ponte de 30m no Brasil para Recorde do Guiness
    1:56
  • Antigos presidentes dos EUA angariam 26 milhões para vítimas dos furacões
    0:58

    Mundo

    Os cinco antigos presidentes dos Estados Unidos da América ainda vivos juntaram-se para ajudar as vítimas dos furacões. Bill Clinton e Barack Obama lembraram as vítimas dos furacões e elogiaram o espírito solidário dos norte-americanos. Os antigos presidentes norte-americanos lançaram o apelo no início do mês passado e já conseguiram angariar cerca de 26 milhões de euros.