sicnot

Perfil

O sono e a saúde

O sono e a saúde

O sono e a saúde

Deixar os adolescentes dormir pode salvar-lhes a vida

Dormir menos de sete horas por noite na adolescência não só é mau para a saúde como para a própria vida. Um estudo norte-americano revela que poucas horas de sono dão origem a más decisões que podem pôr em causa a própria segurança.

© Jianan Yu / Reuters

O estudo do Centro para o Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA revela que os adolescentes que dormem menos de sete horas cada noite têm maior tendência para comportamentos de risco - escrever no telemóvel enquanto conduzem, conduzir sob efeito de álcool, ir de carro com um condutor que ingeriu álcool, não colocar o cinto de segurança num carro ou não usar capacete ao andar de bicicleta - do que aqueles que habitualmente dormem nove horas.

"Foi surpreendente descobrir o impacto que a duração do sono tem sobre este tipo de comportamentos, o que sugere que a privação de sono tem um papel importante nos julgamentos desfavoráveis e na tomada de más decisões", diz uma das autoras do estudo, Janet Croft, citada pela CNN.

Esta investigação analisou questionários de mais de 50 mil alunos do ensino secundário feitos em 2009, 2011 e 2013. Já em 2011 o CDC tinha concluído que um número insuficiente de horas de sono - menos de oito horas - levava os adolescentes a maior risco de fumarem tabaco e marijuana, a ingerirem álcool, a não fazerem exercício físico, a sentirem-se tristes e deprimidos ou a pensamentos suicidas.

  • Temperaturas vão subir até 4ª feira

    País

    As temperaturas vão subir até esta quarta-feira, prevendo-se máximas entre os 22 e os 29 graus na generalidade do território, valores acima do normal para a época do ano, adiantou hoje a meteorologista Maria João Frada.

  • E agora?
    15:07
  • TAP recruta mais assistentes de bordo
    2:40

    Economia

    A TAP assegura que, ainda durante o mês de outubro, os problemas com falta de tripulação vão terminar. Até ao final do ano, vão ser contratados novos assistentes de bordo. Ainda assim, o sindicato diz que não chega.