sicnot

Perfil

Surto de sarampo

Surto de sarampo

Surto de sarampo

Morreu jovem de 17 anos internada com sarampo

Morreu esta manhã a jovem de 17 anos internada com sarampo no Hospital Dona Estefânia, em Lisboa. De acordo com o Centro Hospitalar de Lisboa Central, morreu "na sequência de uma situação clínica infeciosa com pneumonia bilateral - sarampo". Em conferência de imprensa, o ministro da Saúde confirmou entretanto que a rapariga "não estava imunizada".

Última atualização às 11:10

A menor estava internada desde o fim de semana nos cuidados intensivos com respiração assistida e sedação. Ao que tudo indica a jovem terá sido contagiada por uma criança de 13 meses, não vacinada.

Em conferência de imprensa, o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, revelou que a rapariga não estava protegida do ponto de vista imunitário".

O ministro diz que a melhor resposta para evitar o sarampo é a prevenção e afirma que neste momento se devem evitar alarmismos.

A jovem terá tomado a primeira dose da DTP - Vacina tríplice contra a difteria, tétano e tosse convulsa, aos 2 meses de idade. Na altura, teve uma reação alérgica e os pais decidiram que nunca mais lhe seria dada qualquer vacina.

Na mesma conferência, o diretor-geral da Saúde, garantiu que não há falta de vacinas e afirma que Portugal nunca terá uma epidemia de grande escala.

Segundo a Direção Geral da Saúde, em Portugal foram registados desde janeiro até segunda-feira 21 casos de sarampo. Cinco deles são profissionais de saúde do Hospital de Cascais, que terão também sido contagiados pelo bebé de 13 meses que deu entrada na unidade hospitalar.

O surto fez renascer o debate entre o direito de escolha dos pais e o direito da criança aos cuidados de saúde.

"A família acompanhou toda a evolução da situação clínica e o CHLC, com tristeza, lamenta a ocorrência e presta, publicamente, os seus sentidos pêsames", adianta a nota do Centro Hospitalar enviada à agência Lusa.

Em 2016, Portugal recebeu da Organização Mundial da Saúde (OMS), um diploma que oficializava o país como estando livre de sarampo, até porque os poucos casos registados nos últimos anos tinham sido contraídos noutros países.

Com a vacinação gratuita das crianças, a partir de 1974, e sobretudo com a introdução de uma segunda dose de vacina em 1990, o sarampo acabou por se tornar quase uma doença esquecida ou invisível. Mas entre 1987 e 1989 tinham sido notificados em Portugal 12 mil casos, contabilizando-se 30 mortes.

O sarampo é uma das infeções virais mais contagiosas e, apesar de habitualmente ser benigna, pode ser grave e até levar à morte, avisa a Direção Geral da Saúde (DGS).

Sintomas do sarampo e como se transmite a doença

A doença manifesta-se pelo aparecimento de pequenos pontos brancos na mucosa oral cerca de um ou dois dias antes de surgirem erupções cutâneas, que inicialmente surgem no rosto.

Segundo a norma clínica emitida pela DGS na semana passada, as complicações do sarampo podem incluir otite média, pneumonia, convulsões febris e encefalite. Os adultos têm, normalmente, doença mais grave do que as crianças e os doentes imunocomprometidos podem não apresentar manchas na pele.

O sarampo, que é evitável pela vacinação, transmite-se por via aérea e pelo contacto direto com secreções nasais ou da faringe de pessoas infetadas. Com um período de incubação que pode variar entre sete a 21 dias, o contágio dá-se quatro dias antes e quatro dias depois de aparecer o exantema (erupções cutâneas).

Vacinação, principal prevenção contra o sarampo

Consideram-se já protegidas contra o sarampo as pessoas que tiveram a doença ou que têm duas doses da vacina, no caso dos menores de 18 anos, e uma dose quando se trata de adultos. A vacinação é a principal medida de prevenção contra o sarampo, sendo gratuita e incluída no Programa Nacional de Vacinação (PNV).

As crianças devem ser vacinadas aos 12 meses e repetir a vacina aos 5 anos.

"Alerta-se, desde já, para a necessidade de os pais vacinarem os seus filhos sem hesitação, uma vez que as vacinas estão disponíveis no país", referiu a DGS numa nota hoje emitida, um alerta que tem repetido de forma constante.

A vacinação organizada contra o sarampo em Portugal iniciou-se em 1973, com uma campanha de vacinação de crianças entre os um e quatro anos, que vigorou até 1977. Em 1974, a vacina contra o sarampo foi incluída no PNV e em 1990 foi introduzida uma segunda dose da vacina.

Mais de 500 casos de sarampo foram reportados só este ano na Europa, afetando pelo menos sete países, segundo a Organização Mundial da Saúde, que avisa que muitos dos casos de sarampo ocorrem por causa de pais que não querem vacinar os seus filhos.

Com Lusa

  • Passos nega que resultado das autárquicas ponham em causa liderança do PSD
    7:46
  • PS e PSD trocam acusações sobre Tancos
    1:18
  • Homens vítimas de violência doméstica
    31:17
  • Marcelo mergulha na baía de Luanda
    0:45
  • Marcelo garante que relações com Angola "estão vivas"
    1:50

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou esta segunda-feira as boas relações entre Portugal e Angola. À chegada a Luanda para a posse do novo Presidente angolano João Lourenço, o chefe de Estado português aproveitou para tomar um banho de mar.

  • Défice chegou aos 2.034 milhões em agosto
    1:51

    Economia

    O défice do Estado caiu 1.900 milhões de euros até agosto, em comparação com o ano passado. A recuperação da economia ajudou a baixar o défice, com mais receitas e impostos acima do esperado. Já a despesa pública ficou praticamente inalterada e os pagamentos do Estado em atraso subiram.

  • EUA negam ter declarado guerra à Coreia do Norte

    Mundo

    Os Estados Unidos negaram esta segunda-feira ter declarado guerra à Coreia do Norte e frisaram que Pyongyang não pode disparar contra os seus aviões em águas internacionais, em resposta a uma ameaça do ministro dos Negócios Estrangeiros norte-coreano.

  • Morreu a egípcia que chegou a pesar 500 quilos

    Mundo

    A egípcia Eman Ahmed Abd El Aty, de 37 anos, que chegou a pesar 500 quilos, morreu num hospital de Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos, devido a complicações cardíacas na sequência do seu excesso de peso.