sicnot

Perfil

Swissleaks

Swissleaks

Swissleaks

HSBC alvo de investigação criminal em França

O banco britânico HSBC anunciou hoje que está a ser alvo de uma investigação criminal em França relacionada com a sua filial suíça, suspeita de ter ajudado clientes a fugirem ao fisco.

© Pierre Albouy / Reuters

Os magistrados franceses impuseram ao banco uma fiança de mil milhões de euros, idêntica à que foi imposta ao banco suíço UBS num outro caso de evasão fiscal (1,1 mil milhões de euros).

"O HSBC considera que a decisão dos magistrados é infundada e que a caução é injustificada e o montante desmesurado. O banco tenciona recorrer da decisão e defender-se de qualquer processo futuro", referiu o grupo em comunicado enviado à Agência France Press.

A decisão surge algumas semanas após o caso Swissleaks e as revelações de vários jornais sobre práticas de evasão fiscal na filial suíça do HSBC que remontam a 2006 e 2007.

"O que é apontado" à casa-mãe "é a falta de vigilância, de controlo da filial suíça", explicou à agência francesa fonte próxima do dossiê.

Os investigadores franceses suspeitam que a filial suíça terá recorrido a vários expedientes para ajudar clientes ricos a ocultarem os seus bens.

Lusa

  • Processo SwissLeaks tem mais uma portuguesa na lista

    Swissleaks

    Há mais uma portuguesa envolvida no processo swissleaks. Ao que a SIC apurou, trata-se de uma mulher que trabalha na Inspecção Geral de Finanças. Será titular de uma conta na filial suíça do banco HSBC. A SIC sabe também que a mulher alega tratar-se de um assunto pessoal, sem qualquer relação com o cargo que tem nas Finanças. Em causa estão alegados esquemas de fraude e evasão fiscal. Contactado pela SIC, o Ministério das Finanças não quis fazer qualquer comentário por se tratar de um assunto do foro pessoal. 

  • Governo vai avaliar situação da associação Raríssimas
    1:41

    País

    O Governo promete avaliar a situação da instituição Raríssimas e agir em conformidade, depois da denúncia de alegadas irregularidades na gestão financeira. A presidente da instituição terá usado dinheiro da Raríssimas para gastos pessoais como vestidos de alta-costura e alimentação. Esta é uma instituição que apoia doentes e famílias que convivem de perto com doenças raras. 

  • Diáconos permanentes: quem são e que cargo ocupam na comunidade católica
    10:04
  • Múmia quase intacta descoberta em Luxor
    1:23

    Mundo

    O Egito anunciou, este sábado, a descoberta de dois pequenos túmulos com 3.500 anos na cidade de Luxor. Foram também encontrados uma múmia em bom estado de conservação, uma estátua do deus Ámon Ra e centenas de artefactos de madeira e cerâmica ou pinturas intactas.