sicnot

Perfil

Swissleaks

Swissleaks

Swissleaks

HSBC alvo de investigação criminal em França

O banco britânico HSBC anunciou hoje que está a ser alvo de uma investigação criminal em França relacionada com a sua filial suíça, suspeita de ter ajudado clientes a fugirem ao fisco.

© Pierre Albouy / Reuters

Os magistrados franceses impuseram ao banco uma fiança de mil milhões de euros, idêntica à que foi imposta ao banco suíço UBS num outro caso de evasão fiscal (1,1 mil milhões de euros).

"O HSBC considera que a decisão dos magistrados é infundada e que a caução é injustificada e o montante desmesurado. O banco tenciona recorrer da decisão e defender-se de qualquer processo futuro", referiu o grupo em comunicado enviado à Agência France Press.

A decisão surge algumas semanas após o caso Swissleaks e as revelações de vários jornais sobre práticas de evasão fiscal na filial suíça do HSBC que remontam a 2006 e 2007.

"O que é apontado" à casa-mãe "é a falta de vigilância, de controlo da filial suíça", explicou à agência francesa fonte próxima do dossiê.

Os investigadores franceses suspeitam que a filial suíça terá recorrido a vários expedientes para ajudar clientes ricos a ocultarem os seus bens.

Lusa

  • Processo SwissLeaks tem mais uma portuguesa na lista

    Swissleaks

    Há mais uma portuguesa envolvida no processo swissleaks. Ao que a SIC apurou, trata-se de uma mulher que trabalha na Inspecção Geral de Finanças. Será titular de uma conta na filial suíça do banco HSBC. A SIC sabe também que a mulher alega tratar-se de um assunto pessoal, sem qualquer relação com o cargo que tem nas Finanças. Em causa estão alegados esquemas de fraude e evasão fiscal. Contactado pela SIC, o Ministério das Finanças não quis fazer qualquer comentário por se tratar de um assunto do foro pessoal. 

  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • "Foi um golpe muito forte"
    1:41
  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • SIC acompanhou Francisco George no último dia como diretor-geral da Saúde
    6:20