sicnot

Perfil

Swissleaks

Swissleaks

Swissleaks

HSBC alvo de investigação criminal em França

O banco britânico HSBC anunciou hoje que está a ser alvo de uma investigação criminal em França relacionada com a sua filial suíça, suspeita de ter ajudado clientes a fugirem ao fisco.

© Pierre Albouy / Reuters

Os magistrados franceses impuseram ao banco uma fiança de mil milhões de euros, idêntica à que foi imposta ao banco suíço UBS num outro caso de evasão fiscal (1,1 mil milhões de euros).

"O HSBC considera que a decisão dos magistrados é infundada e que a caução é injustificada e o montante desmesurado. O banco tenciona recorrer da decisão e defender-se de qualquer processo futuro", referiu o grupo em comunicado enviado à Agência France Press.

A decisão surge algumas semanas após o caso Swissleaks e as revelações de vários jornais sobre práticas de evasão fiscal na filial suíça do HSBC que remontam a 2006 e 2007.

"O que é apontado" à casa-mãe "é a falta de vigilância, de controlo da filial suíça", explicou à agência francesa fonte próxima do dossiê.

Os investigadores franceses suspeitam que a filial suíça terá recorrido a vários expedientes para ajudar clientes ricos a ocultarem os seus bens.

Lusa

  • Processo SwissLeaks tem mais uma portuguesa na lista

    Swissleaks

    Há mais uma portuguesa envolvida no processo swissleaks. Ao que a SIC apurou, trata-se de uma mulher que trabalha na Inspecção Geral de Finanças. Será titular de uma conta na filial suíça do banco HSBC. A SIC sabe também que a mulher alega tratar-se de um assunto pessoal, sem qualquer relação com o cargo que tem nas Finanças. Em causa estão alegados esquemas de fraude e evasão fiscal. Contactado pela SIC, o Ministério das Finanças não quis fazer qualquer comentário por se tratar de um assunto do foro pessoal. 

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • "No meu bairro perguntam-me se a medalha é de ouro e dizem que ma vão roubar e vender"
    4:46
  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05