sicnot

Perfil

Tragédia em Pedrógão Grande

Tragédia em Pedrógão Grande

Tragédia em Pedrógão Grande

Avião P3-C da Força Aérea vai apoiar na monitorização do incêndio

Rafael Marchante

Um avião P3-C Orion a Força Aérea Portuguesa (FAP) vai ser mobilizado para o incêndio de Pedrógão Grande, distrito de Leiria, para ajudar na monitorização do fogo, disse à agência Lusa fonte deste ramo das forças armadas.

A aeronave deverá descolar pelas 16:00 da Base Aérea Nº 11, em Beja, para o aeroporto militar de Figo Maduro, em Lisboa, onde vão embarcar dois elementos da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC) e depois rumar até ao teatro de operações para também ajudar "na identificação de pontos quentes suscetíveis de gerarem reacendimentos", indicou fonte da ANPC.

O fogo, que causou pelo menos 61 mortos e mais de 50 feridos, deflagrou ao início da tarde de sábado numa área florestal em Escalos Fundeiros, em Pedrógão Grande, e alastrou-se aos municípios vizinhos de Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, obrigando a evacuar povoações e deixando-as isoladas.

Em comunicado entretanto divulgado na sua página da internet, a ANPC refere que "no sentido de apoiar o esforço de combate dos mais de 800 operacionais que se debatem na luta contra as chamas em Pedrógão Grande, a Marinha (Fuzileiros) e o Exército disponibilizaram meios logísticos diferenciados para reforço às operações que decorrem no terreno".

A ANPC explica que o P3-C Orion da FAP vai "apoiar os meios de combate, designadamente fazendo a monitorização da área ardida e a identificação de pontos quentes suscetíveis de gerarem reacendimentos". Esta aeronave é habitualmente utilizada no patrulhamento marítimo e está equipada com radares e capacidade de fotografia e vídeo.

A FAP já tinha um helicóptero Alouette III afeto ao Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais.

Quatro pelotões do Exército encontram-se desde a manhã de hoje no terreno em operações de rescaldo e verificação.

Dois aviões 'Canadair' espanhóis já estão empenhados no combate ao incêndio e, durante a tarde de hoje, deverão chegar três meios aéreos franceses, disse anteriormente a Proteção Civil.

Fonte da ANPC acrescentou nessa ocasião à Lusa que é possível que Espanha envie "mais um ou dois" destes meios aéreos para ajudar no combate ao fogo, acrescentando que durante a tarde, deverão chegar ao teatro de operações mais dois 'Canadair' e um meio aéreo, estes três vindos de França.

De acordo com a informação divulgada na página na Internet da ANPC, as chamas que deflagraram às 14:43 de sábado, em Pedrógão Grande, mobilizavam às 15:50 de hoje766 operacionais, 237 veículos e seis meios aéreos.

O fogo deflagrou ao início da tarde de sábado numa área florestal em Escalos Fundeiros, em Pedrógão Grande, distrito de Leiria, e alastrou-se aos municípios vizinhos de Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, obrigando a evacuar povoações ou deixando-as isoladas.

Segundo o último balanço feito hoje pelo secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, cerca das 13:00, o incêndio provocou pelo menos 61 mortos.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.