sicnot

Perfil

Tragédia em Pedrógão Grande

Tragédia em Pedrógão Grande

Tragédia em Pedrógão Grande

Filha não consegue convencer pai a deixar casa

Uma rapariga, entre várias dezenas de pessoas que permaneciam, ao princípio da noite, no clube de Avelar, no concelho de Ansião, chorava e apenas dizia que ele, o pai, se recusava a abandonar a casa. "Ele não quer sair de lá", insistia, sem parar de chorar, a jovem, sem dizer mais nada e indiferente a quem a tentava apoiar.

"Está farta de ligar [por telemóvel] para o pai" e de dizer que ele se recusa a abandonar a sua residência, em Pedrógão Grande, ameaçada pelo fogo.


Se as chamas atacarem a habitação, ele prefere "morrer dentro de casa, a sair dela", contou à agência Lusa Paula Maria Soares, residente em Bairradas, no concelho de Figueiró dos Vinhos.


Paula Maria é uma das muitas pessoas que, pelas 21:00 de hoje, continuavam, junto às instalações do Atlético Clube Avelense (ACA), em Avelar, no concelho de Ansião (distrito de Leiria), à espera que o Itinerário Complementar 8 (IC8) ou qualquer outra estrada alternativa reabrisse ao trânsito, na zona da Sertã, para regressar a casa.


A rapariga, sempre a chorar ou a soluçar, mas quase em silêncio, voltou a falar ao telemóvel, desligou, falou com um rapaz e entraram ambos num carro -- "parece que vão ver se a estrada [de acesso a Pedrógão Grande] já está aberta para irem a casa", falar com o pai dela, comenta-se num pequeno grupo de pessoas.


"Isto é muito complicado", sustentava António Manuel, motorista, residente em Cernache do Bonjardim (Sertã), que também aguardava pela reabertura de uma das vias que dão acesso à sua terra, compreendendo o desespero da rapariga, mas também a atitude do pai.
Nas instalações do ACA continuavam, entretanto, a chegar alimentos e bebidas, oferecidas por gente anónima, instituições e empresas, designadamente duas cadeias de supermercados, para, entretanto, serem distribuídas pelos quartéis de bombeiros da região e "refugiados" dos incêndios.


O ACA transformou-se, ao princípio da noite de sábado, num autêntico centro de "refúgio mais ou menos seguro" de pessoas que, sobretudo oriundos do IC8, fugiam das chamas.


Umas ficaram no relvado, nuns colchões que, entretanto, dirigentes do ACA e voluntários foram buscar ao pavilhão desportivo da vila, outras pernoitaram na Escola Técnica e Profissional de Sicó, disse à agência Lusa Fernando Inácio Medeiros, presidente do clube de Avelar e diretor da Escola.


"Estávamos aqui no jantar de encerramento da época da equipa de veteranos do clube", quando começaram a chegar pessoas que fugiam dos incêndios e, sobretudo, que não podiam seguir viagem pelo IC8, recordou Inácio Medeiros, sublinhando que o "movimento de solidariedade" para com quem ali chegava, nasceu "espontaneamente" e provocou a imediata adesão de "gente e mais gente".


"Isto é um movimento de solidariedade dos avelenses", afirmava o presidente do Clube, sublinhando que todos os dirigentes do ACA "têm sido inexcedíveis" na sua entrega a esta causa e que ele é "apenas o porta-voz deste movimento".


O "movimento" gerado a partir do ACA serviu, hoje, cerca de duas centenas de pequenos-almoços e mais de duas centenas e meia de almoços e, no sábado e hoje, acolheu "milhares de pessoas" e recebeu e distribuiu "toneladas de alimentos e bebidas", que Inácio Medeiros ainda não consegue quantificar.


"Nada foi articulado", mas o empenho de todos os envolvidos neste "movimento que nasceu espontaneamente" está a responder ao seus objetivo, que é o de "tentar, de algum modo, atenuar um pouco o impacto desta tragédia", concluiu o presidente do ACA.

Lusa

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • ERSE concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões euros a mais à EDP
    0:53

    País

    José Gomes Ferreira afirmou esta sexta-feira que a ERSE -Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões de euros a mais do que o necessário à EDP. Contratos que foram postos em prática em 2007 por Manuel Pinho, na altura ministro da Economia.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59