sicnot

Perfil

Tragédia em Pedrógão Grande

Tragédia em Pedrógão Grande

Tragédia em Pedrógão Grande

Incêndio de Pedrógão Grande continua ativo

Miguel Vidal

Mais de 24 horas depois do fogo deflagar em Pedrógão Grande, ainda não é possível perceber a dimensão daquela que já é considerada a maior tragédia florestal dos últimos anos em Portugal. Pelo menos 61 pessoas morreram e 62 ficaram feridas. O incêndio continua ativo.

Ao longo da Nacional 236 que lida Castanheira de Pera ao troço do IC8 são várias as viaturas queimadas. Este domingo grande parte dos trabalhos de equipas de peritos da investigação criminal e medicina legal concentraram-se nessa estrada onde 30 pessoas morreram dentro dos carros e outras 17 à beira da estrada.

Numa altura em que corpos já foram levados, o foco volta-se para as aldeias de onde começam a chegar relatos uns atrás dos outros.

Povoações de três concelhos ficaram completamente destruídas.

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".