sicnot

Perfil

Tragédia em Pedrógão Grande

Tragédia em Pedrógão Grande

Tragédia em Pedrógão Grande

Isabel dos Santos mostra "tristeza" e elogia "corajoso" trabalho dos bombeiros

© Ed Cropley / Reuters

A empresária e filha do chefe de Estado angolano Isabel dos Santos assumiu este domingo "tristeza" face ao incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande, Portugal, e que já provocou 61 mortos, elogiando o "corajoso" trabalho dos bombeiros.

Numa mensagem publicada hoje pela empresária na sua conta oficial na rede social Instragam, Isabel dos Santos escreve que o seu pensamento vai para "todos aqueles que perderam seus queridos" e transmitiu "solidariedade, neste momento de grande tristeza" para com as famílias e vítimas "deste drama".

"Vemos que o incêndio ainda está por controlar e o incansável, corajoso trabalho de todas as corporações de bombeiros mobilizadas, mas que não são suficientes, e é uma tragédia nacional", afirma a empresária e presidente da petrolífera Sonangol, considerada a mulher mais rica em África e que detém várias empresas em Portugal.

O combate ao incêndio de Pedrógão Grande (Leiria) foi esta tarde reforçado com mais operacionais, segundo a Proteção Civil, que tem no teatro de operações 870 operacionais, 268 viaturas e dez meios aéreos.

O fogo, que causou pelo menos 61 mortos e mais de 50 feridos, deflagrou ao início da tarde de sábado numa área florestal em Escalos Fundeiros, Pedrógão Grande, e alastrou aos municípios vizinhos de Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, obrigando a evacuar povoações ou deixando-as isoladas.

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.